Lançamento

Com “Balaio de Gato”, jornalista goiano estreia no gênero conto e crônica

Luiz Augusto Araujo é autor de livros consagrados na área de comunicação e desenvolvimento pessoal


Maraisa Lima
Do Mais Goiás | Em: 04/03/2020 às 10:51:56


Depois do sucesso de suas duas obras na área de desenvolvimento pessoal, dos livros “A Arte de convVENCER” e “Comunicando com Estratégia”, o jornalista e palestrante Luiz Augusto Araujo estreia no gênero literário conto e crônica com “Balaio de Gato”, publicado pela Editora Interativa.

O lançamento do novo livro será no dia 26 de março, às 19h, na Livraria Nobel, do Shopping Bougainville, em Goiânia (GO). “Neste Balaio de Gato, contos e crônicas perfilam momentos inspirados no dia a dia de uma cidade interiorana, pela qual o leitor zanzará curioso e atento”, ressalta Lêda Selma, escritora e ex-presidente da Academia Goiana de Letras (AGL).

“Balaio de Gato” é a terceira obra do autor e a primeira publicada no gênero literário conto e crônica. Luiz Augusto Araujo atua como palestrante e consultor de comunicação empresarial. Ele é jornalista especializado em Assessoria de Comunicação pela UFG e com MBA em Gestão Empresarial pela FGV. Tem formação internacional em Liderança Comportamental (Leader Coach) pelo ACT Institute e The Global Institute for Trauma Resolution, além de curso de extensão em Gestão de Cooperativas Financeiras na HEC Montréal, no Canadá.

Confira a entrevista completa com o jornalista e autor Luiz Augusto Araujo em primeira mão para o Blog M9.

Maraísa Lima – O que os leitores podem esperar da sua estreia no gênero literário?

Luiz Augusto Araujo – Eles irão se deparar com textos simples na linguagem, empolgantes, recheados de crítica, humor refinado e com fechos inesperados. Os finais surpreendentes estão presentes em praticamente todas as histórias.

Maraísa Lima – Como foi para você esse processo da escrita do livro de contos e crônicas?

Luiz Augusto Araujo – Na época de faculdade, no início dos anos 2000, eu lia bastante o gênero literário conto e crônica. De tanto ler, comecei a escrever e a rascunhar algumas ideias de tramas, que resultariam, ao longo do tempo e sem pressa, em saborosas histórias.

Maraísa Lima – Quais são os principais temas abordados? Eles conversam de alguma forma com assuntos da atualidade?

Luiz Augusto Araujo – São temas dos mais variados, juntos e misturados, num mesmo balaio. Todos os textos são bem atuais, inspirados sobretudo no cotidiano da vida interiorana. Ouvidor – GO é o principal cenário da maioria das histórias. A cidade, onde morei durante a infância e parte da adolescência, também será cenário de uma noite de autógrafos, que será realizada no dia 25 de abril, no Lions Clube. Desde já registro o convite aos meus conterrâneos.

Maraísa Lima – Dizem que os livros têm sempre algo de autobiográfico do escritor. Existe essa particularidade em “Balaio de Gato”?

Luiz Augusto Araujo – De certa maneira, em todo texto há, no mínimo, o olhar atendo do escritor e um pouco da sua percepção de mundo. Mas garanto que em Balaio de Gato qualquer semelhança com histórias reais é uma mera coincidência, com exceção de dois textos: “Palavras para Karinne” e “O Primeiro Computador”.

Maraísa Lima – Esses dois textos tratam de qual aspecto da sua vida?

Luiz Augusto Araujo – “Palavras para Karinne” é um texto dedicado à minha esposa. Já em “O Computador”, eu narro a minha angústia de não ter como fazer o registro dos meus primeiros escritos, entre outras observações de um jovem escritor.

Maraísa Lima – O fato de você já ter escrito dois livros de sucesso na área de Comunicação facilitou a escrita desse novo livro, mesmo com uma temática tão diferente?

Luiz Augusto Araujo – Embora “Balaio de Gato” seja o meu terceiro livro publicado, ele foi o primeiro a ser escrito. A maioria dos textos tem cerca de 15 anos. De certa forma, acho que ter feito essa obra, antes, ajudou a evoluir o meu olhar observador de comunicador para depois escrever os livros voltados a área de desenvolvimento pessoal, focados em comunicação interpessoal: “A Arte de conVENCER” e “Comunicando com Estratégia”.

Maraísa Lima – Qual sua recomendação enquanto escritor para as pessoas que têm um sonho de escrever um livro?

Luiz Augusto Araujo – A principal recomendação é começar já a escrever. Não deixe para amanhã, comece hoje mesmo a elaborar o rascunho da sua obra.

Escrever um livro é um sonho que depende exclusivamente de uma só pessoa para ser realizado, depende apenas do sonhador.

Maraísa Lima – Eu sou muito crítica em relação ao que escrevo. Creio que isso barra muito o processo criativo. Como vencer o medo da crítica, tanto pessoal quanto do público?

Luiz Augusto Araujo – Todos nós somos um pouco críticos em tudo o que fazemos, isso inclui a escrita. Uma das formas de se vencer qualquer medo é enfrentando-o. Quanto mais praticamos a escrita, mais corajosos ficamos para expor nossas ideias ao público.

Maraísa Lima – Onde os seus leitores e pessoas interessadas na obra podem adquirir o seu novo livro?

Luiz Augusto Araujo – O livro estará em diversas livrarias nas próximas semanas, após o lançamento na Livraria Nobel, do Shopping Bougainville, no dia 26 de março, em Goiânia. A versão e-book estará disponível no meu site www.luizaugusto.com.br/livros e também nas principais plataformas, como: Amazon, Google Play, Apple Books, Kobo, eSentral, Scribd, entre outras.

Tópicos

    Publicidade