M9
Maraisa Lima
Do Mais Goiás

07 maneiras de tornar sua comunicação impactante no Clubhouse

Nova rede social usa conteúdos exclusivamente em áudio e, por isso, demanda uma comunicação atrativa

Há alguns dias, na minha bolha social, não se fala em outro assunto: Clubhouse – a nova rede social queridinha do momento. Só pra se ter uma ideia do boom, entre os primeiros 10 dias de fevereiro, as buscas no Google pela palavra Clubhouse aumentaram quase 5.000%, de acordo com site Infomoney.

Confesso que, de tanto ouvir falar, decidi dar uma “expiadinha”. Antes de compartilhar dicas de como usar uma comunicação na mais atrativa nesse novo meio, vem a pergunta: o que é o Clubhouse?

Sobre a nova rede social

Se você ainda não sabe, trata-se de uma rede social que funciona como um grande bate-papo ou chat de voz. Por enquanto, é restrita aos usuários de IOS que precisam ganhar um convite para acesso “clube”!

Por isso, ela disparou recentemente nas redes sociais o gatilho da exclusividade, já que quem deseja entrar para o Clubhouse precisar ser convidado. E, geralmente, cada usuário dispõe de poucos convites.

Só pra ficar claro, os conteúdos criados são disponibilizados exclusivamente em áudio em salas de discussão ao vivo. É como se você estivesse num grande evento on-line e ao vivo ouvindo especialistas sobre uma gama de assuntos desde saúde, bem-estar, marketing digital até espiritualidade e por aí vai.

O mais surpreendente é que a rede liga anônimos a personalidades mundiais em segundos. Imagine só: de repente, você está on-line e se depara com salas de discussão com Elon Musk, fundador da Tesla e SpaceX, o ator Ashton Kutcher e com a apresentadora de TV Oprah Winfrey!

Por que usar a nova rede social?

Li muitos comentários em outras plataformas de pessoas dizendo que não entrariam na “onda”, pois já possuem outras redes para administrar e, além disso, não gostam de ouvir áudio. Muitos se referindo à prática (não recomendada) de fazer uso exacerbado das longas mensagens de áudio no WhatsApp.

Mas entenda: nesse caso é diferente! No Clubhouse, você ouve se tiver interessante. E não porque alguém quer uma resposta sua, que só virá depois que você ouvir um áudio gigante, como acontece por exemplo no WhatsApp.

Além disso, o networking disponibilizado por meio da rede é incrível.

Se você é um profissional em início de carreira no Marketing Digital, por exemplo, essa é uma grande oportunidade de aprender de graça com pessoas que já têm resultados significativos na área. É uma chance de ter contato com quem já é reconhecido no cenário nacional (e até mundial) pelo que faz.

Quando você entra numa sala com um tema do seu interesse, funciona como fosse uma maratona ao vivo de podcasts.

Participei por horas da sala “A caixa-preta do Marketing Digital” com cerca de cinco mil pessoas e com lista de espera pra entrar. Nela, os moderadores convidam “speakers” que são pessoas – via de regra – com experiência para compartilhar e, muitas vezes, em vez de só discutir um conteúdo, esses profissionais abrem para os ouvintes fazerem perguntas.

Presenciei verdadeiras consultorias ao vivo em que um speaker mais experiente ajuda participantes que estão começando na carreira ou que já estão há algum tempo, mas ainda não conseguiram os resultados que queriam.

Melhore sua comunicação no Clubhouse

Mais do que nunca, saber se expressar e despertar o interesse das pessoas são grandes desafios para quem quer explorar ao máximo o potencial do Clubhouse. Se estamos numa grande conversa, onde há trocas de informação, as pessoas devem ser interessantes. É muito chato, conversar ou ouvir gente chata.

Tenha em mente também que essa é uma ferramenta excelente de comunicação, desde que usada de maneira adequada. Ou seja, cada usuário precisa se comunicar da melhor forma possível para que possa se conectar com as outras pessoas naturalmente.

E que tipo de veículo é mais democrático que, por exemplo, que o rádio? O diferencial do Clubhouse é que você pode estar próximo de pessoas bem qualificadas, num ambiente natural de trocas de conhecimento.

07 dicas para melhorar a comunicação e tirar proveito do Clubhouse

  1. Cause impacto na sua comunicação

Como hoje em dia as pessoas perdem logo o interesse e é difícil prende a atenção por muito tempo, você precisa ser objetivo, claro e conciso.

Lembre-se: objetividade é a capacidade de se ater ao “objeto”, que seria o tema da sala de discussão. Nada de fugir do assunto, divagar ou fazer comentários nonsense sem nenhum valor.

Ao usar a clareza, você torna suas ideias compreensíveis aos participantes. Com áudio, você não tem recursos não verbais à disposição. Por isso, precisa caprichar na transmissão do que você tem em mente sobre o tema da discussão.

Ao ser conciso, você pratica a sua capacidade de sintetizar as ideias e criar conceitos de impacto em poucas frases. Isso atrai as pessoas e ajuda o cérebro a processar as informações mais rápido e fácil.

  1. Pratique a boa conversa

É normal gostar de conversar com pessoas que prestam atenção ao que estamos dizendo e nos ouvem, certo?

Presenciei muita gente que se dispôs a participar, mas estava desatenta, o que leva o falante a ter que repetir seu ponto de vista devido à falta de atenção. Então, se quer realmente se envolver na conversa, esteja presente.

Além disso, a boa conversa flui naturalmente. Por isso, tente não ser artificial ou formal demais.

  1. Tenha algo um conteúdo de valor para entregar

Na era do excesso de informação, as pessoas buscam conteúdos relevantes na internet e só se envolvem com o que consideram atrativo.

Quando for se expressar no Clubhouse, traga contribuições autênticas que possam ser um diferencial em meio a milhares de outras vozes.

Uma das participantes da sala “A caixa-preta do Marketing Digital”, a jornalista Kíria Meurer, instigou bastante os speakers com uma provocação: “Se você tivesse oportunidade de fazer um ‘pitch’ (apresentação de alto impacto para despertar interesse do interlocutor), para ‘vender’ o que você faz ao Jornal Nacional em dois minutos, como faria?”

Muitos que estavam acostumados a palestrar para grandes plateias não conseguiram causar impacto na mensagem dentro do tempo disponível!

Ou seja, é preciso estar preparado com as principais ideias do que você faz para quando for convidado a falar numa dessas salas de discussão.

A técnica do Storytelling que já tratei aqui pode ajudar bastante!

  1. Evite falar excessivamente de si mesmo

Cuidado para não vender demais a imagem pessoal e não entregar valor! Fica chato ouvir as pessoas despejando um monte de informação sobre se mesmo. O espaço da rede não é para monólogos e sim para conversas que possam agregar valor para o máximo possível de participantes.

Saiba dosar os exemplos que você usa a seu respeito. E, ao fazer uso de cases pessoais, use as dicas anteriores.

  1. Busque um posicionamento adequado

Mostrar às pessoas o que você sabe fazer e, com isso, ajudar os outros é um bom ponto de partida. Afinal de contas, se você é profissional e tem uma carreira, quer dizer que sabe fazer algo útil para o mercado.

Use as perguntas para se guiar no posicionamento: qual dor eu resolvo? Quem eu ajudo? O que eu faço? Qual é a minha solução? Por que as pessoas deveriam me ouvir? Qual é a minha diferenciação?

  1. Melhore seu perfil (foto atrativa e uma bio com informações básicas)

Você verá muita gente no Clubhouse o tempo todo. Fotos de avatar (perfil) atrativas e com descrição adequada, a famosa bio (descrição do perfil) podem ajudar as pessoas a dar um “follow” (seguir) para você na rede.

Além disso, no perfil dessa rede você pode chamar os participantes para te seguirem em outras plataformas como Instagram e Twitter.

Se você é um speaker, tem um conteúdo de valor, uma comunicação atrativa, está ajudando outros profissionais na sala de discussão, naturalmente, os olhares estarão voltados para o seu perfil.

É bem possível que cliquem no seu avatar para saber quem você é! Por isso, não perca a chance de mostrar o seu trabalho.

  1. Faça networking

A comunicação assertiva e o conteúdo dos speakers atrai os olhares, isso é fato! Dessa forma, se você se comunicar de maneira impactante, as pessoas vão te notar e querer saber mais sobre você. E, consequentemente, praticar  networking.

Lembra da jornalista Kíria Meurer? Achei suas colocações tão válidas que passei a segui-la no Instagram. Depois, mandei uma mensagem elogiando o conteúdo que ela expôs no Clubhouse e dizendo que faria um blogpost sobre isso!

Adivinha? Ela respondeu, começou a me seguir, viu que tínhamos de cara afinidades profissionais. Trocamos contatos e quem sabe essa rede pode ser o início de uma nova conexão profissional!

Basta que você esteja genuinamente interessado naquilo que agrega valor para a sua vida, expressando-se com naturalidade e autenticidade. Neste momento, vejo o Clubhouse como uma ótima ferramenta, desde que seja usada de maneira adequada. Avante!