Kossa Aqui
Do Mais Goiás

Magalu compra Jovem Nerd e ninguém sabe onde empresa quer chegar

Depois de capitanear uma revolução digital no comércio brasileiro, céu parece ser o limite para Magalu

Magazine Luiza anuncia compra da plataforma Jovem Nerd
(Foto: Reprodução Redes Sociais)

No meu tempo, ser chamado de nerd era ofensivo. Fui criado numa época quando obras de cunho educativo como Pork’s eram servidas às crianças no café-da-manhã. Logo, ser tirado de nerd não pegava nada bem. Por isso que nunca fui público do Jovem Nerd e nem de outros produtores de conteúdo que circulam nessas praias. Eu lá vou querer ser nerd, meu filho? Se liga!

Ancião que sou, me causou enorme estranhamento quando vi que havia uma geração que se orgulhava de ser nerd. Essa rapaziada fermentou todo bullying a que foram submetidos e deram o troco em altíssimo nível. Hoje, foi divulgado que a Magazine Luíza, mais conhecida como Magalu, comprou o Jovem Nerd.

Os caras que antes eram tirados de virgens eternos, excluídos dos círculos sociais mais descolados e sofriam bullying como ninguém embolsaram uma fábula de grana. Essa foi a verdadeira Vingança dos Nerds – título de outro filme mui educativo de minha infância.

E onde quer chegar a Magalu com esse tipo de movimento? Vai saber. A empresa queridinha dos faria limers por conta da valorização inacreditável de suas ações parece enxergar além do alcance (pegou a referência, seu nerd?). Depois de deixar as lojas tradicionais comendo poeira e promover uma revolução no e-commerce tupiniquim, a empresa cujo símbolo sempre será a Luiza Trajano parece querer mais.

Entrar na produção de conteúdo pop com um canal de tamanho alcance como o Jovem Nerd mostra que a Magalu quer algo grande. Os números dos caras impressionam. São gigantes no Youtube, Twitter, Instagram e demais ambientes onde estão.

A Magalu prova que realmente tem a inovação em seu DNA e almeja algo que olhos convencionais, como os meus, não alcançam. E os nerds cheios da grana e mais populares que nunca deram uma baita rasteira nos preconceitos oitentistas: os caras estão por cima da carne seca.

@pablokossa/Mais Goiás | Foto: Reprodução Redes Sociais