Coluna da Tainá Borela
Do Mais Goiás

Desejo de Iris de ver MDB aliado a Caiado pode inviabilizar candidatura de Meirelles

O ex-ministro já tentou viabilizar candidatura majoritária em Goiás, mas foi barrado pelo emedebista em 2010

(Foto: Dida Sampaio/ AE)

A formação da chapa do governador Ronaldo Caiado (DEM) para as eleições de 2022 promete disputas intensas entre os partidos e a maior briga será para a vaga ao Senado. Já são vários postulantes. Nesta semana, o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (PSD) começou a agilizar a transferência do seu título eleitoral para Goiás e vai lançar, nesta sexta-feira, durante evento partidário do PSD, a sua pré-candidatura ao Senado. Apesar de ser goiano, nascido em Anápolis, o ex-ministro está fora da política do Estado desde 2010, quando, filiado ao MDB, tentou viabilizar uma candidatura ao governo do Estado mas acabou saindo do cenário após ter tido seu plano sufocado pela decisão de Iris Rezende, então prefeito de Goiânia, em ser o candidato do partido. Meirelles e Iris vão travar um embate político mais uma vez, agora para ver quem vai compor a chapa de Caiado. É que Iris tenta viabilizar uma candidatura do MDB, seja a dele ou a do presidente do partido em Goiás, Daniel Vilela, e tem se esforçado para costurar a aliança com o democrata.

Bala na agulha

Aliados em comum do governador e de Meirelles acreditam que a candidatura dele ao Senado é mais viável do que qualquer nome do MDB. É que Meirelles está disposto a investir pesado em seu projeto.

Força do desejo

Os defensores da aliança Caiado/Meirelles não acreditam que Daniel Vilela vá caminhar ao lado do governador. Apostam que ele será candidato a deputado federal e que o MDB lançará o prefeito de Aparecida de Goiânia, Gustavo Mendanha, ao governo.

Currículo

A primeira e última vez que Meirelles ganhou um mandato foi em 2002, quando foi eleito deputado federal por Goiás (o mais bem votado). Mas nem chegou a assumir, porque foi nomeado para presidir o Banco Central.

Pequi

Vanderlan Cardoso vai recepcionar o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, e Henrique Meirelles no aeroporto. Em seguida seguem para a casa do senador para um almoço, antes do encontro do partido. O cardápio será tradicionalmente goiano – com muito pequi.

Em uma tarde

A agenda de Meirelles em Goiás será curta: logo após o almoço, segue para o encontro partidário do PSD, onde lança sua pré-candidatura ao Senado. Às 15h30 tem encontro marcado com Caiado. E, do Palácio das Esmeraldas, vai à Assembleia Legislativa, onde será recebido por Lissauer Vieira e mais alguns deputados da base caiadista.

Vem chegando

Segundo a cúpula do PSD, outro que está mais próximo do partido e deve selar a filiação em breve é Lissauer Vieira, que vai tentar uma vaga de deputado federal em 2022. Ele já fez parte dos quadros da sigla em seu primeiro mandato de deputado estadual.