Medidas protetivas

Precisamos falar sobre relacionamentos abusivos

É tempo de quebrar as algemas mentais que lhe distorceram a visão de amor e lhe convenceu internamente a aceitar tão pouco.


mgadmin
Do Mais Goiás | Em: 19/10/2016 às 18:54:33


Nas últimas semanas, lemos notícias sobre várias mulheres mortas por seus parceiros em Goiânia. E sempre que isso acontece, há uma comoção geral da sociedade e a sensação que tenho ao ler os comentários é que a maioria das pessoas vêem esse tipo de situação como algo que poderia acontecer com qualquer pessoa, menos com ela. Tanto sendo vítima quanto algoz.

Bem, é nesse momento que te convido a refletir sobre relacionamentos abusivos.

Quando criança, aprendemos o amor da maneira que recebemos. Se crescemos em uma família onde as brigas são constantes, nosso inconsciente nos fará crescer acreditando que é normal discordância em relacionamentos, o que realmente é verdade. Porém, alguns comportamentos abusivos que presenciamos na infância e outros tanto que adotamos em reação por sobrevivência, podem vir a nos sabotar e nos colocar sem que percebamos, em relações nocivas, de posse e abuso..

Dificilmente um abusador em potencial chegará bater em sua namorada na primeira discussão. O comportamento começa pequeno e segue a linha crescente. Geralmente tudo começa com um desrespeito aqui, um xingamento acolá, d-erres intermináveis, melhorias, uma pequena agressão e daí em diante, é ladeira abaixo.

É importante reconhecermos a lei do apego que nos rege. Reconhecer como funcionamos e quais crenças temos sobre nós mesmas. Geralmente uma mulher que está vivendo um relacionamento abusivo, tem muito medo do término e se vê dependente emocionalmente do seu parceiro, e em vários casos, financeiramente também. E por esse motivo, acredita mesmo sem muitas vezes admitir, que é incapaz de por fim no relacionamento que tem lhe feito tanto mal. Inventa desculpas pra si, para os amigos, se apega a ideia de que é apenas uma fase e vai se enredando cada vez mais na teia da infelicidade.

Claro, nem todos os relacionamentos abusivos terminam em agressão física ou morte, mas nem só tapa é violência.

Esse texto é pra falar com você, mulher: Você pode ser feliz! Se você chora mais do que sorri, não é amor, é dependência.

Se você tem crises de ciúme a cada vez que ele olha para o lado, não é amor, é falta de confiança. Você não precisa de alguém que lhe faz se sentir tão insegura.

Se ele te humilha, te xinga, te diminui, não é amor, é abuso.

Só existe um caminho para evitar ser a próxima vítima talvez de um feminicídio: terminando seu relacionamento abusivo.

É tempo de quebrar as algemas mentais que lhe distorceram a visão de amor e lhe convenceu internamente a aceitar tão pouco.

Procure ajuda, inclusive profissional.

O universo te espera para lhe relembrar o que é ser feliz.

 


Publicidade