Ton Paulo
Do Mais Goiás

Bebê que nasceu com “meio” coração se recupera do 1º procedimento médico

Após repercussão de matéria publicada pelo Mais Goiás, o Ipasgo comunicou que pagaria todo o tratamento do recém-nascido

O bebê Emanuel Justo, que nasceu em Goiânia com mau desenvolvimento no coração, a chamada Síndrome do Coração Esquerdo ou Síndrome Hipoplasia do Ventrículo Esquerdo, foi submetido com sucesso, na última semana, ao primeiro procedimento cirúrgico necessário no seu tratamento no Hospital Beneficência Portuguesa, em São Paulo. A mãe de Emanuel, Débora Lima, conseguiu o direito de ter o tratamento custeado pelo Ipasgo após obter decisão na Justiça e o Mais Goiás repercutir o caso.

Conforme informações da Brasil Vida, empresa de UTI aérea que transportou o bebê de Goiânia a São Paulo, Emanuel passou por uma bandagem pulmonar no dia 28 de agosto, técnica paliativa usada em cirurgia cardíaca congênita como ponte para correções definitivas. Após ganho de peso, ele será submetido a procedimentos corretivos no coração. Ele foi transportado no dia 25 de agosto em um voo aeromédico equipado com UTI Neonatal quando tinha apenas quatro dias de vida.

Emanuel seguirá internado em uma UTI Neonatal por alguns meses, assistido pela equipe do médico Rodrigo Freire, enquanto se alimenta por sonda e aguarda a próxima operação, chamada de Norwood, que ainda não tem data definida para ocorrer.

Como o Ipasgo cobre somente as despesas do tratamento de Emanuel, Débora abriu um vaquinha, através do site vaka.me/1321523, para conseguir se manter em São Paulo.

Relembre o caso

Natural de Goianésia, Débora, mãe do pequeno Emanuel, havia conseguido na Justiça, na sexta-feira, 21 de agosto, mesmo dia do nascimento do bebê, o direito de ter o tratamento de seu filho pago pelo Ipasgo em São Paulo, num hospital referência para casos como o dele. Contudo, havia resistência por parte do órgão, que declarou em nota que o tratamento do bebê poderia ser feito em Goiânia, informação que foi negada pelo advogado de Débora, Nilson Geraes.

Após publicação do caso pelo Mais Goiás, o próprio governador Ronaldo Caiado determinou o cumprimento da decisão judicial por parte do Ipasgo. No dia 25 de agosto, o órgão informou que já havia tomada todas as providências quanto ao caso do pequeno Emanuel.

Para corrigir o problema no coração, o filho de Débora precisa passar por três cirurgias: a primeira de 3 a 6 dias de vida (que já aconteceu); a segunda de 3 a 4 meses e a terceira após os 2 anos. O procedimento ao qual Emanuel foi submetido é um preparatório para tais cirurgias.