Negligência médica

Bebê nasce sem rosto e médico negligente é investigado, em Portugal

A família não foi informada sobre a má-formação da criança; médico já tinha cinco queixas e atualmente é investigado


Da Redação
Do Mais Goiás | Em: 18/10/2019 às 17:44:14

A imprensa lusitana está noticiando o acontecido como ‘o caso do bebê “sem rosto”' (Foto: Pixabay)
A imprensa lusitana está noticiando o acontecido como ‘o caso do bebê “sem rosto”' (Foto: Pixabay)

Um bebê português chamado Rodrigo nasceu na última segunda-feira (7) sem olhos, nariz e parte do crânio. O caso chocou Portugal por ser considerado como negligência médica. O obstetra acompanhou toda a gravidez e não detectou a má-formação da criança. Artur Carvalho exercia a profissão mesmo com cinco queixas na Ordem dos Médicos. Somente nesta sexta-feira (18) o Centro Hospitalar de Setúbal abriu um inquérito para apurar o caso.

O corpo médico havia dado poucas horas de vida à criança, mas ele está com 11 dias de vida. A imprensa lusitana deu o nome ao caso “do bebê sem rosto”’. A divulgação foi iniciada na última quinta-feira (17).

O presidente da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, afirmou que os processos contra o médico estavam abertos desde 2013. Já o Ministério Público português começou a investigar o caso após a denúncia da mãe de Rodrigo. Os pais foram atendidos pelo médico em uma clínica particular, onde foram realizadas três ecografias. Contudo, em nenhuma delas o obstetra alertou sobre as má-formações da criança.

Somente quando os pais fizeram uma ultrassonografia 5G em outra clínica é que foram alertados sobre algo estar errado com o filho. Logo depois, a família levou o exame ao médico que garantiu não existir nenhum problema.

“Se a atuação deste médico pode colocar em risco a saúde das pessoas, que seja decidido sobre a suspensão preventiva”, relata Miguel Guimarães sobre a situação do médico.

*Com informações dos sites Correio da Manhã (Portugal), R7 e Catraca Livre