Ton Paulo
Do Mais Goiás

Bebê com “meio” coração embarca para SP para fazer tratamento

Pagamento dos custos do tratamento só foi confirmado pelo instituto após repercussão de matéria veiculada pelo Mais Goiás na última segunda-feira, 24.

O bebê Emanuel Justo Martins, de apenas quatro dias de vida, acaba de embarcar para São Paulo para começar o tratamento para sua doença no Hospital Beneficência Portuguesa. Emanuel nasceu com a síndrome de hipoplasia do coração esquerdo, ou Síndrome do Coração Esquerdo, e precisa ser submetido a uma cirurgia antes de completar seis dias de vida.

A informação do transporte de Emanuel foi confirmada pela empresa de UTI aérea Brasil Vida. A ida do bebê para São Paulo, assim como todas as despesas com a cirurgia e internação, serão custeadas pelo Instituto de Assistência dos Servidores do Estado de Goiás (Ipasgo).

Conforme a Brasil Vida, o transporte está sendo realizado em UTI aérea sob os cuidados de uma equipe formada por médica e enfermeiro. A”aeronave é equipada com incubadora aquecida e durante o voo haverá monitoração cardíaca e todos os materiais e medicamentos disponíveis para as intervenções que eventualmente se façam necessárias”, informou

 

Ipasgo anunciou pagamento do tratamento do bebê em SP após repercussão de caso divulgado pelo Mais Goiás

Natural de Goianésia, Débora Antônia, mãe do pequeno Emanuel, havia conseguido na Justiça, na sexta-feira, 21, mesmo dia do nascimento do bebê, o direito de ter o tratamento de seu filho pago pelo Ipasgo em São Paulo, num hospital referência para casos como o dele. Porém, havia resistência por parte do órgão, que declarou em nota que o tratamento do bebê poderia ser feito em Goiânia, informação que foi negada pelo advogado de Débora, Nilson Geraes.

Após publicação do caso pelo Mais Goiás, o próprio governador Ronaldo Caiado determinou o cumprimento da decisão judicial por parte do Ipasgo. Hoje, terça-feira, 25, o órgão informou que já havia tomada todas as providências quanto ao caso do pequeno Emanuel, mas que fora informado pelo hospital de que não havia vaga disponível.

O Ipasgo foi novamente contestado por Nilson. Ao Mais Goiás, o advogado disse que entrou em contato com o hospital e ouviu da unidade que havia vaga disponível para o bebê.

Pouco tempo depois, o Ipasgo divulgou nova nota informando que cumpriria a decisão judicial expedida que determinou que o órgão arque com todos os custos do tratamento do pequeno Emanuel Justo e que o Hospital Beneficência Portuguesa havia informado que havia vaga disponível para o bebê, mas que “a data cirurgia depende do Hospital Beneficência Portuguesa”.