Do Mais Goiás

Bêbado é preso por esfaquear mulher que chorava por morte de familiar em Vicentinópolis

Ele ficou irritado quando a vítima pediu para que ele parasse de rir da situação dela e a agrediu

Bêbado é suspeito de esfaquear mulher que estava chorando por morte de familiar
Bêbado é suspeito de esfaquear mulher que estava chorando por morte de familiar (Foto: Reprodução/Câmeras de segurança)

A Polícia Militar prendeu um homem suspeito de esfaquear uma mulher de 58 anos, no último domingo (25), em um bar da cidade de Vicentinópolis, no Sul de Goiás. O suspeito, que estava bêbado, teria zombado da vítima, que chorava pela morte de um familiar.

Câmeras de segurança flagraram o momento em que o suspeito aparece agredindo a mulher com um facão. À polícia ele teria dito que ficou irritado quando a vítima pediu para que ele parasse de rir da situação dela. Então, foi até a casa em que mora para buscar um facão para bater nela.

De acordo com os militares, a equipe foi acionada pela filha da vítima, que estava desesperada dizendo que a mãe havia sofrido uma tentativa de homicídio. Porém, o suspeito já havia fugido.

Os policiais encontraram o suspeito com ajuda de um morador da região. Ele tentava fugir por uma estrada vicinal na saída da cidade de Vicentinópolis para a cidade de Edéia, em uma região de mata fechada.

Bêbado é suspeito de esfaquear mulher que estava chorando por morte de familiar

Bêbado é suspeito de esfaquear mulher que estava chorando por morte de familiar (Foto: Divulgação/PM)

Assim que viu os agentes, o homem saiu correndo, mas acabou sendo cercado e preso. Mesmo imobilizado, ele tentava fugir e chegou a agredir os policiais. Quando desistiu de lutar, ele revelou que jogou o facão próximo de sua residência.

Segundo a polícia, a vítima precisou de atendimento médico. Ela foi levada ao hospital e liberada no mesmo dia. Já o homem, nunca havia sido preso antes. Até a manhã de segunda-feira (26) ele continuava preso. Caso seja condenado deverá responder por tentativa de homicídio, cuja pena vai de seis a 20 anos de prisão.