Cidades

Bandidos armados fazem moradores reféns e explodem caixas eletrônicos em Cavalcante

Na fuga, os bandidos levaram o cofre no banco em cima de uma caminhonete. Ainda não há confirmação se os assaltantes trocaram tiros com policiais dentro da cidade




Criminosos fortemente armados invadiram a cidade de Cavalcante, a cerca de 512 quilômetros de Goiania, na noite desta quinta feira (30/06), e causaram pânico na população.

De acordo com as primeiras informações, após fazerem quatro reféns, os bandidos, que portavam metralhadoras e fuzis, explodiram o Banco do Brasil e fugiram levando o cofre da agência em uma camionete branca. Um Jeep prata e um carro vermelho também foram utilizados por outros integrantes da quadrilha para fugir.

Segundo um dos reféns, ele, a namorada e um irmão de 12 anos estavam na cidade a passeio, vistando as cachoeiras da região. Na volta, eles foram aboradados pelos bandidos. “Eles fizeram a gente descer do carro e fizeram a gente de refém. Meu irmão e minha namorada eles soltaram. Eu e o motorista ficamos de refém na esquina (do banco)”, conta.

Outros dois morados da cidade também foram feitos reféns dos bandidos e só foram soltos depois que os bandidos explodiram o banco e recolheram o dinheiro. Os quatro reféns foram colcodos dentro de um carro e deixados numa estrada de terra há cerca de três quilômetros do local do crime.

Em uma estrada de chão perto de Colinas os bandidos que ocupavam a Strada, ao perceber um bloqueio policial, pararam no meio da via, atearam fogo no veículo e fugiram a pé para um matagal. Não houve confronto.

Militares do Grupo de Patrulhamento Tático (GPT) de Alto Paraíso e Monte Alegre, e do Comando de Operações de Divisas de Campos Belos procuram pelos criminosos desde a noite de ontem, e agora cedo receberam o apoio de policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e do Grupo de Radiopatrulha Aérea (GRAer). O helicóptero do Graer deve chegar à região às 10 horas.

Para o tenente coronel Heber Souza Lima, comandante da PM na região, o grande problema é o fácil acesso a outras cidades. “Aqui nós fazemos divisa com Tocantins, Bahia e Minaçu, sem falar que na área dos Quilombolas existem pelo menos oito rotas de fuga, muitas delas desconhecidas até mesmo dos moradores da região”, destacou.

Agora a pouco, militares do Bope recolheram seis bananas de dinamite que foram abandonadas pelos criminosos dentro do Banco do Brasil.

Aguarde, essa notícia ainda está sendo atualizada!