NOVA BAIXA

Banco Central reduz taxa básica de juros de 3% para 2,25%

O Copom sinalizou um novo corte para a próxima reunião. Para analistas, decisão tem pouco efeito no curto prazo


Agência O Globo
Agência O Globo
Do Agência O Globo | Em: 17/06/2020 às 18:29:21

Banco Central reduz taxa de juros para 2,25% (Marcello Casal JrAgência Brasil)
Banco Central reduz taxa de juros para 2,25% (Marcello Casal JrAgência Brasil)

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) reduziu a taxa básica de juros, a Selic, de 3% ao ano para 2,25% na reunião desta quarta-feira. Esse é o menor patamar já registrado na História e o oitavo corte seguido na taxa, que iniciou a trajetória de queda em junho de 2019.

No comunicado, o Copom sinalizou que há espaço para mais cortes, mas pondera que eventual ajuste futuro “será residual”, ou seja, o corte, se ocorrer deve ser de 0,25 ponto

Para analistas, a nova redução nos juros, mesmo num cenário em que a Selic já estava muito baixa, ajuda a amortecer a recessão esperada para este ano, com encolhimento do Produto Interno Bruto (PIB) em ao menos 6,5%. Mas o efeito no crédito para empresas e pessoas físicas ainda vai demorar a chegar.

Ainda no comunicado, o Comitê disse que a pandemia continua causando “uma desacelração pronunciada do crescimento global”. Diante desse cenário, o Copom entede que apesar dos pacotes de estímulo econômico lançados por governos ao redor do mundo, o ambiente para economicas emergentes, como a brasileira, é “desafiador”.

Sobre a atividade econômica, o Copom destacou que o primeiro trimestre teve a maior queda desde 2015, mas que os indicadores econômicos sugerem uma contração ainda maior no segundo trimestre. Com isso, a incerteza “permanece acima do usual” sobre o ritmo de recuperação da economia no restante do ano.

O corte de 0,75 pontos percentuais já tinha sido sinalizado pelo Copom na última reunião, em maio. O resultado ficou em linha com o estimado pelo mercado.

Antes do início da crise trazida pelo coronavírus, o Copom sinalizou que havia encerrado o movimento de corte no custo do dinheiro e que manteria a Selic em 3,75%.

No entanto, com o freio na economia imposto pela pandemia e as consequências mais evidentes na economia em maio, o BC anunciou o primeiro corte de 0,75 pontos como uma forma de auxiliar o país a aguentar o impacto da crise.

Com o corte desta quarta-feira, o BC já reduziu a taxa em 1,5 ponto percentual em apenas duas reuniões.

A Selic é a taxa em que bancos, administradoras de cartões e instituições financeiras se baseiam para calcular os juros que serão cobrados de seus clientes nas diferentes modalidades oferecidas. Com uma Selic mais baixa, outras taxas tendem a cair também, o que torna o crédito mais barato.

– A novidade da política monetária agora é o patamar dos juros. Nunca pensamos em ter juros nominais de 2,25% ao ano. Mas os efeitos são os mesmos: ajuda a melhorar o consumo, ajuda no financiamento de empresas, especialmente pata atravessar este momento de crise, e melhora as expectativas – diz a economista-chefe da BNP Paribas Asset Management, Tatiana Pinheiro.

Para ela, diante do desemprego e da perda de renda provocados pela crise do coronavírus, o estímulo dos juros mais baixos no consumo pode não atingir a “potência máxima esperada” neste momento. Mas, passado este cenário de isolamento social e incerteza, a tendência é que as pessoas voltem a comprar e tomar crédito, segundo ela.

A economista avalia que há espaço ainda para cortar mais os juros no Brasil, e no pós-pandemia esse cenário de taxas baixas será importante para a retomada. Por isso, ao cortar ainda mais a Selic, o BC já tem no foco o crescimento de 2021, na visão dela:

– É consenso que o país voltará a crescer em 2021. Não se sabe quanto, já que isso depende também da melhora do cenário externo. Mas os juros baixos ajudam.

Para Fábio Astrauskas, professor do Insper e presidente da Siegen Consultoria, o novo corte na Selic não significa que as taxas de juros cairão acentuadamente a partir de agora para quem busca crédito, sejam empresas ou pessoas físicas. Segundo ele, embora a Selic seja uma taxa referencial, ela é apenas um dos componentes do crédito:

– Os juros cobrados das empresas e das pessoas são compostos por outros fatores, como carga tributária, inadimplência e oferta e demanda. E esses fatores estão pressionando, no momento, para que os juros continuem a subir para o tomador final.

No dólar, uma nova baixa da Selic também não terá efeitos tão significativos, neste momento, avalia o analista da Toro Investimentos, Lucas Carvalho. Para ele, o mercado já vinha precificando uma nova baixa da Selic, fazendo com o que a moeda americana operasse no patamar de R$ 5,20 nos últimos dias.

Quanto mais baixa a taxa de juros, menor a atratividade para o investidor estrangeiro vir buscar ganhos no Brasil e, portanto, há menos entrada de moeda estrangeira. Isso pressiona o câmbio para cima.

– Não acredito em mudanças significativas no câmbio, a menos que haja algum fato inesperado no cenário externo. A moeda americana deve continuar acima de R$ 5. Para cair abaixo desse patamar, será preciso que surja um remédio ou uma vacina que seja efetiva contra o Covid-19 – diz Carvalho.