Francisco Costa
Do Mais Goiás

Bancada federal discute com governo recursos orçamentários para terminar obras paradas

“Prioridade é terminar aquelas do governo federal. Pontes, rodovias, escolas...”, adianta o deputado

Deputado quer paralisar Congresso até votação da prisão em 2º instância
Deputado quer paralisar Congresso até votação da prisão em 2º instância

A bancada federal goiana se reúne, na tarde desta segunda-feira (7), com o governador Ronaldo Caiado (DEM) para debater acerca da aplicação de emendas parlamentares do ano que vem. O encontro, que foi confirmado pelo deputado federal e líder do Podemos na Câmara, deputado José Nelto, será para tratar sobre a inclusão “do maior número de recursos orçamentários para atender ao Estado de Goiás”, com prioridade para “terminar as obras paradas”.

Conforme o parlamentar, são emendas individuais e de bancada nas áreas de saúde, educação, segurança e infraestrutura. “A prioridade é terminar as obras paradas do Governo Federal. Pontes, rodovias, escolas. O que for do governo federal será prioridade”, adiantou ao Mais Goiás.

Em reportagem do Giro, de O Popular, foi informado que será apresentada uma carteira de projetos de R$ 1,3 bi, com 221 propostas, sendo 59 para emendas de bancada e 162 individuais.

Bancada atuante

O deputado federal também disse que a bancada tem trabalhado para que o governo possa sanear as finanças e realizar empréstimos. Inclusive, ele disse ter se reunido, recentemente, com Mansueto Almeida, secretário do Tesouro Nacional, que teria lhe dado uma boa notícia.

“Ele afirmou que Goiás poderá realizar empréstimo no ano que vem, mesmo sem aderir ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF).” De acordo com Nelto, o Estado poderá recorrer aos bancos oficiais, como Caixa Econômica e Banco do Brasil, mas também privados. “Só não poderá usar para pagamento de folha, mas sim para infraestrutura.”

Questionado sobre o que mudou  com a entrada de Caiado, ele declara que o governo tem feito o dever de casa e o “governo federal reconhece a boa vontade e coragem de fazer as reformas. Com isso, será possível terminar e iniciar rodovias transversais, que ligam regiões isoladas”.