Operação Maus Caminhos

AudioMix, empresa goiana alvo de mandado de busca e apreensão, diz que não é investigada

Segundo nota, o dono da AudioMix, Marcos Aurélio Araújo, prestou depoimento para esclarecer sua relação com Mouhamad Moustafá, cuja conduta é apurada pela PF




A AudioMix, empresa que foi alvo de mandados de busca e apreensão na manhã desta terça (20), divulgou nota afirmando que não está sendo investigada pela Polícia Federal. Segundo o texto, o dono da AudioMix, Marcos Aurélio Araújo, prestou depoimento durante a manhã para esclarecer sua relação com Mouhamad Moustafá, cuja conduta é apurada na Operação Maus Caminhos.

A operação foi deflagrada pela PF do Amazonas, que visa a desarticular uma organização criminosa que teria desviado cerca de R$ 112 milhões do Fundo Estadual de Saúde daquele Estado. Segundo a PF, a AudioMix era utilizada por Mohamad, principal alvo do esquema desarticulado, para lavar dinheiro oriundo dos desvios milionários da área de Saúde do Amazonas.

A AudioMix é uma empresa especializada no gerenciamento da carreiras de grandes nomes da música pop e sertaneja no Brasil. Entre eles, Jorge e Mateus, Guilherme e Santiago Israel Novaes e outros. “Com sede na cidade de Goiânia (GO), que é considerada o berço da música sertaneja, a AudioMix conta com empresas coirmãs, abrangendo praticamente todas as áreas do show business, permitindo a realização de serviços especializados e direcionados ao perfil de cada um dos artistas. As empresas coirmãs são: AudioMix Eventos, AudioMix Digital, AudioMix Records, Grantur e Tic Mix, todas voltadas ao segmento artístico, facilitando o atendimento junto a parceiros e contratantes de shows”, diz o site da empresa.

A Maus Caminhos cumpre 13 mandados de prisão preventiva, quatro mandados de prisão temporária, três conduções coercitivas, 41 mandados de busca e apreensão, 24 mandados de bloqueios de contas de pessoas físicas e jurídicas (aproximadamente R$ 30 milhões) e 31 mandados de sequestro de bens móveis e imóveis (aproximadamente R$ 50 milhões), todos expedidos pela Justiça Federal do Amazonas.

Por meio de uma entidade social sem fins lucrativos, o Instituto Novos Caminhos (INC), o grupo driblava os procedimentos licitatórios do setor de Saúde estadual e contratava empresas prestadoras de serviços utilizadas para desviar valores a serem investidos no atendimento à população.

Confira a íntegra da nota da Audio Mix:

A Audio Mix, empresa que atua há mais de 15 anos no mercado da música brasileira, declara que o empresário Marcos Aurélio Araújo, na manhã desta terça-feira, 20 de setembro, prestou os devidos esclarecimentos sobre a relação com Mouhamad Moustafá, investigado na Operação “Maus Caminhos” da Polícia Federal.

Declara que a empresa Audio Mix não é alvo desta investigação, estando à disposição das autoridades para prestar eventuais outros esclarecimentos.

Audio Mix manifesta seu apoio incondicional ao trabalho da Polícia e da Justiça brasileira na apuração dos fatos relativos à referida operação.

Assessoria de imprensa Audio Mix