Incêndio no TRT

Atendimento ao público no TRT-Goiás será retomado na quinta-feira

Primeira análise feita por peritos na manhã desta segunda-feira mostra que estrutura do prédio que está sendo construído não foi danificada





//

Em coletiva de imprensa realizada no final da manhã desta segunda-feira, o Presidente do Tribunal Regional do Trabalho em Goiás, Desembargador Aldon do Vale Taglialegna afirmou que o atendimento ao público no Fórum Trabalhista de Goiânia, onde são realizadas as audiências de 1º Grau, voltarão ao normal na próxima quinta-feira.

Já o Edifício Ialba-Luza, onde funcionam os gabinetes dos desembargadores, o Tribunal Pleno e as turmas julgadoras ficará interditado por cinco dias, uma vez que o incêndio ocorrido no final de semana na nova sede que está sendo construída danificou janelas e alguns computadores.

Em conversa com peritos da Concretiza, empresa responsável pela obra do anexo que está sendo construído e que pegou fogo na noite do último sábado, o Presidente do TRT diz ter recebido a informação que a princípio as chamas não prejudicaram a estrutura da obra. “Aparentemente não houve danos maiores e a obra poderá seguir normalmente, mas para afirmarmos isso precisamos de um relatório dos peritos que nos será entregue no final da tarde de hoje”, relatou o desembargador.

(Foto: @ladoaltoAs chamas não atingiram o Fórum Trabalhista, porém o calor das chamas derreteu vidros e alguns computadores do Iablba -Luza, mas segundo Aldon do Vale, nenhum processo foi danificado. “Todos os nossos processos são digitalizados, e logo que ficamos sabendo do incêndio um técnico esteve aqui e desligou toda a rede. Resolvemos interditar o Ialba-Luza por um tempo maior porque precisamos ver se houve danos à fiação elétrica, já que os compressores de ar condicionado, que ficam do lado externo, foram danificados, agora aqui no Fórum, onde existem 18 Varas de Trabalho não houve qualquer dano”, concluiu.

O prédio incendiado, que está sendo construído entre o edifício Ialba-Luza e Fórum Trabalhista de Goiânia na Avenida T-1, no Setor Bueno, está orçado em R$ 30 milhões. Os prejuízos que porventura tenham sido causados pelo incêndio, de acordo com o Presidente do TRT, são de responsabilidade da Concretiza, que deve se pronunciar à imprensa no final da tarde desta segunda-feira. Peritos da Polícia Federal investigam o que teria provocado o incêndio.