Polícia

Assassino do cartunista Glauco é preso em Goiânia suspeito de matar jovem

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, o Cadu, foi condenado pelos assassinatos do cartunista Glauco Villas Boas e seu filho Raoni em Osasco (SP), em 12 de março de 2010.




//
//

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, de 29 anos, e Ricardo Pimenta de Andrande Jr., que não teve a idade informada, foram presos, no início da tarde desta segunda-feira (1º/09), após uma perseguição pelas ruas de Goiânia.

Carlos Eduardo, conhecido como Cadu, é acusado de matar o cartunista Glauco Vilas Boas e o filho dele, Raoni Vilas Boas, em 2010.

Cadu e Ricardo estavam em dois carros roubados. Um dos carros era o Honda Civic pertecente a Mateus Morais Pinheiro, de 21 anos, morto durante um assalto ocorrido na noite deste domingo (31/08) no setor Bueno, em Goiânia.

A polícia chegou até os suspeitos, após um delegado ver dois veículos, um Honda City e um Civic, em atitude suspeita nas imediações da Santa Casa de Goiânia. O delegado pediu apoio a Guarda Civil Metropolitana e começaram a perseguir os dois veículos.

Ao perceber que estava sendo seguido, o condutor do Honda Civic subiu na calçada, mas acabou batendo no muro.  Ricardo Pimenta de Andrade Jr., que estava no veículo, não esboçou reação e se entregou para o policial.

Carlos Eduardo Sundfeld Nunes, de 29 anos, que estava no outro carro – um Honda City – atirou contra a viatura da Guarda Civil, abandonou o veículo no meio da rua e mesmo ensaguentando tentou roubar uma farmárcia. Os guardas chegeram no local e prenderam o rapaz.

Em entrevista ao MAIS GOIÁS, o  Tenente Faria, da Polícia Militar, disse que os dois suspeitos participaram também da tentativa de assalto do agente priosional Marcos Vinicius Lemes D’abadia. O crime aconteceu no cruzamento da Rua T-28 com a Rua T-48, no Setor Bueno, em Goiânia, na tarde da última quinta-feira (28/08). Marcos continua internado em estado grave e respirando com ajuda de aparelhos no Hugo (Hospitald e Urgência de Goiânia).

MORTE DO CARTUNISTA

Vídeo

Cadu passou por avaliação médica em clinica de Goiânia

Em 2010, Cadu confessou ter matado o cartunista Glauco e o filho dele, no dia 12 de março, no sítio onde a vítima morava, em Osasco (SP). Ele invadiu a propriedade e atirou contra as vítimas.

O rapaz frequentava a Igreja Céu de Maria, fundada por Glauco, que segue a doutrina religiosa do Santo Daime. No dia do crime, o jovem estaria sob efeito de maconha e haxixe.

Apesar de ter confessado matar o cartunista Glauco e o filho dele, Cadu não chegou a ser julgado porque a Justiça o considerou inimputável, ou seja, incapaz de perceber a gravidade de seus atos. A doença mental não tem cura, mas tem controle, desde que seja tratada.

Em agosto de 2013, a Justiça de Goiás decidiu que ele podia receber alta da clínica. A decisão foi tomada pela juíza Telma Aparecida Alves, da 4ª Vara de Execuções Penais.  A medida foi embasada na avaliação médica do Tribunal de Justiça de Goiás, feita em junho daquele ano, em que o rapaz recebeu parecer favorável à liberação.

Segundo a decisão, Cadu, que tem esquizofrenia, estava apto a passar a fazer tratamento ambulatorial, em vez de ficar internado.