ENTENDIMENTO FAVORÁVEL

Asmego responde ataques a desembargador que arquivou caso padre Robson

“Decisão foi proferida por unanimidade, por um colegiado de desembargadores”, reforçou em nota


Francisco Costa
Do Mais Goiás | Em: 07/10/2020 às 15:25:10

Nicomedes Domingos Borges (Foto: Divulgação)
Nicomedes Domingos Borges (Foto: Divulgação)

A Associação dos Magistrados de Goiás (Asmego) emitiu uma nota de repúdio após observar ataques ao desembargador da 1ª Câmara do Tribunal de Justiça de Goiás, Nicomedes Domingos Borges, que foi o relator do arquivamento da ação movida contra o padre Robson de Oliveira, fundador da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe). Segundo a Asmego, “a decisão foi proferida por unanimidade, por um colegiado de desembargadores”, e não somente pelo relator.

“Qualquer decisão judicial pode ser criticada e questionada, mas o caminho adequado é a via recursal”, reforçou a associação.

Confira a nota na íntegra:

“A Associação dos Magistrados de Goiás (Asmego) vem a público repudiar as manifestações hostis e caluniosas contra o Desembargador da 1ª Câmara do Tribunal de Justiça de Goiás, que determinou, o trancamento da ação penal que investiga o padre Robson.

É importante frisar que a decisão foi proferida por unanimidade, por um colegiado de Desembargadores. Qualquer decisão judicial pode ser criticada e questionada, mas o caminho adequado é a via recursal.

A Asmego coloca-se à disposição para defender a honra e a liberdade de julgamento de todos os membros do Poder Judiciário local.”

Arquivamento

Na terça-feira (6), o tribunal arquivou a ação do Ministério Público (MP-GO) contra o padre Robson de Oliveira, no âmbito da Operação Vendilhões. Com o entendimento, ficou reconhecido que não houve a qualquer ilicitude praticada pelo religioso. Ao Mais Goiás, a assessoria do padre disse que o religioso sempre se dispôs a esclarecer toda e qualquer dúvida sobre a sua atuação na Afipe ou em qualquer outro âmbito de evangelização.

Vale lembrar, a operação foi deflagrada pelo MP-GO para investigar o padre Robson por supostos crimes de apropriação indébita, lavagem de capitais, organização criminosa, sonegação fiscal e falsidade ideológica junto a dirigentes da Afipe.

Durante o julgamento, o desembargador Nicomedes declarou que o estatuto da associação permite os mais variados investimentos com o dinheiro doado pelos fiéis. “Quem deixou no banco, perdeu dinheiro com a alta do dólar. E a Afipe investiu em fazendas, imóveis dos mais variados, TV, etc.”, justificou. Ainda de acordo com ele, os itens adquiridos não caracterizam, dessa forma, desvio de finalidade.

Leia mais:

Padre Robson teria explicado tudo se tivesse sido chamado pelo MP, diz advogado

 

Grupo Kurujão reafirma licitude de negócios com Afipe de Padre Robson

Arquivamento do caso de Padre Robson não afetará auditoria realizada na Afipe