Ton Paulo
Do Mais Goiás

Aruanã instala barreira na entrada da cidade e mantém regras de isolamento

Todos os visitantes que quiserem entrar na cidade deverão apresentar o teste de Covid negativo

Foto: Prefeitura de Aruanã

A Prefeitura de Aruanã, cidade turística de Goiás, decidiu adotar medidas rígidas de combate à Covid-19 neste feriado da Semana Santa. Além da exigência para visitantes de teste com resultado negativo para coronavírus, que precisa ter sido feito nas 72 horas anteriores, sob risco de bloqueio do acesso, o município vai manter a cidade em lockdown ao longo do feriado, permitindo o funcionamento presencial somente de atividades essenciais.

Ao Mais Goiás, a secretária de Administração de Aruanã, Gabriela Falchi, conta que uma barreira sanitária foi instalada na entrada da cidade na manhã desta quinta-feira (1), com a presença de agentes da Vigilância Sanitária e Polícia Militar que vão atuar 24 horas. Todos os visitantes que quiserem entrar na cidade deverão, obrigatoriamente, apresentar o teste de Covid com resultado negativo junto com um documento oficial.

“No caso em que a pessoa não apresentar [o teste com resultado negativo], ela realmente não vai poder entrar na cidade e vai ser conduzida a voltar. Se ela se recusar, a polícia militar pode agir”, explicou Gabriela. A exigência vai vigorar até o dia 5 de abril, segunda-feira.

Ainda segundo a secretária, a prefeitura vai manter as restrições ao comércio local. Estabelecimentos de atividades não essenciais podem funcionar até às 18h, de segunda a sexta, e até ao meio-dia, no sábado e domingo. Estabelecimentos de atividades não essenciais só podem funcionar na modalidade delivery. Segundo Gabriela, a flexibilização vai depender dos números do município após o feriado.

“Justamente pra tentar proteger a nossa população, que vive e que trabalha aqui, a gente decidiu adotar medidas mais drásticas pra conter a vinda de pessoas que são praticamente turistas. É ruim para o comércio, só que nessa hora a gente está prezando a saúde da nossa população”, conclui Gabriela.