Eleições 2020

Após vitória, PSL já articula para eleições municipais de 2020

Partido de Bolsonaro quer lançar nomes próprios para disputar as prefeituras do Rio e de São Paulo

Política

Agência O Globo
Agência O Globo
Do Agência O Globo | Em: 03/11/2018 às 13:17:57

Foto: Redes sociais/Instagram
Foto: Redes sociais/Instagram

Partido que mais elegeu deputados federais no estado e dono da maior bancada na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) a partir do próximo ano, o PSL de Jair Bolsonaro já se articula para lançar candidatura própria para prefeito do Rio em 2020. O partido também faz planos para as eleições municipais de São Paulo.

Atualmente, o PSL não tem nenhum vereador na Câmara do Rio. O capital político conquistado após a eleição presidencial, no entanto, faz com que observadores enxerguem o partido com musculatura para repetir a forte votação no município. No Rio, Bolsonaro teve 66% dos votos válidos no segundo turno, contra 34% de Fernando Haddad (PT).

Na capital paulista, o partido de Bolsonaro não tem sequer diretório em funcionamento, mas, empurrado pela vitória do presidente eleito, faz planos de regularizar a estrutura partidária na cidade e expandir sua rede pelo estado.

— Sabemos que o PSL tem condição de ser protagonista na capital — diz o deputado estadual eleito Rodrigo Amorim (PSL), dono da maior votação no estado, com mais de 140 mil votos, e protagonista de uma das cenas mais polêmicas da campanha: a imagem em que quebrava a placa com o nome da vereadora Marielle Franco, assassinada no dia 14 de março.

Próximo ao deputado estadual e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), Amorim é um dos cotados para se lançar à prefeitura em 2020. Atualmente, ele articula sua candidatura à presidência da Alerj. Gustavo Bebianno, que presidiu o PSL durante as eleições deste ano, é outro nome ventilado para a disputa na capital. Ele foi peça central na coordenação da campanha de Jair Bolsonaro.

— Possivelmente o candidato será um parlamentar que esteja se destacando. Eu me coloco como um soldado disciplinado de Flávio Bolsonaro, e um membro do PSL pronto para as batalhas — afirma Amorim. — Não vamos fugir de responsabilidade, não. Temos bons nomes, o Flávio terá a sabedoria de orientar.

Direções provisórias
Em São Paulo, atualmente a sigla tem diretório em 189 dos 645 municípios. A maioria deles está sendo comandada por direções provisórias e não há, por enquanto, previsão para eleições internas. Mesmo assim, o deputado federal e senador eleito Major Olímpio (PSL-SP), presidente do PSL paulista, não economiza nas expectativas para as eleições municipais.

— Quando assumimos em março a direção do PSL o partido não tinha nem sede para o diretório estadual. Até o final de novembro de 2019 estamos impedidos de receber a cota do fundo partidário porque a direção antiga não prestou contas, e colocou o partido em situação irregular. Estamos num esforço para regularizar o partido e nos prepararmos para um desempenho forte no estado em 2020 — afirmou o Major Olímpio.

O PSL não tem nenhuma representação no Executivo ou Legislativo na cidade, mas elegeu agora a maior bancada de deputados estaduais (15) da Assembleia Legislativa e nove deputados federais por São Paulo.

— Nem no melhor dos nossos sonhos imaginávamos ter o desempenho que tivemos — avaliou Olímpio.

Os nomes cotados hoje no PSL para disputar a prefeitura paulistana são os das deputadas mais votadas do país: Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff e eleita para a Assembleia Legislativa, e Joice Hasselmann, que garantiu, em sua estreia, uma cadeira na Câmara dos Deputados.

O próprio Major Olímpio é lembrado para a vaga, mas ele nega interesse em se lançar em 2020, apontando um dos filhos de Bolsonaro, o deputado federal Eduardo, como opção. A Constituição, entretanto, só permite que parentes de chefes do Executivo disputem a reeleição para cargos eletivos que já ocupam.

No Rio e em São Paulo, os partidos tradicionais também começaram a projetar cenários para 2020. O PT pensa nos ex-ministros Aloizio Mercadante e Alexandre Padilha. Hoje a prefeitura paulistana é administrada pelo PSDB do prefeito Bruno Covas, candidato natural à reeleição.

No Rio, o PSOL, que terá a segunda maior bancada na Alerj (cinco parlamentares, mesmo número do MDB), tenta se posicionar como protagonista de uma frente de esquerda. A ideia é unificar partidos como PT, PDT, PSB e PCdoB em torno de uma única candidatura. O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL), que se elegeu deputado federal com a segunda maior votação do estado, é visto como um nome forte.Já o DEM, cujo candidato a governador, o ex-prefeito Eduardo Paes, venceu na cidade do Rio, avalia ter cacife para lançar nome próprio, mas ainda é incerto qual será.

Esses partidos devem disputar com o prefeito Marcelo Crivella (PRB), que deve tentar a reeleição.