Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás

Após eventos no BBB 21, Leifert conversa com brothers sobre racismo

Apresentador trouxe discurso bem didático sobre o assunto após fervor nas redes sociais

Após eventos no BBB 21, Tiago conversa com brothers sobre racismo
Após eventos no BBB 21, Tiago conversa com brothers sobre racismo (Foto: Globo)

Antes da eliminação de Rodolffo, que saiu do BBB 21 com 50,48% dos votos, Tiago Leifert conversou com os brothers sobre racismo. O apresentador deixou claro que o intuito do diálogo era informativo; não visava “cancelamento”.

Para quem não se lembra, Rodolffo foi acusado de racismo após fazer um comentário sobre o cabelo de João Luiz. O sertanejo comparou o cabelo do professor de Geografia com o da peruca de homens das cavernas que era utilizada por ele e Caio no Castigo do Monstro.

A situação ainda ganhou mais notoriedade no Jogo da Discórdia, que ocorreu na última segunda-feira (5). João expôs todo o ocorrido ao vivo e deixou claro que o comentário lhe fez acessar sentimentos ruins de outras situações maldosas que ele passou por adotar o cabelo no estilo black power.

A situação causou um alvoroço nas redes sociais. Algumas pessoas ficaram do lado de João Luiz e outras defenderam Rodolffo, dizendo que a fala dele não continha nada demais. Apesar disso, Tiago destinou o diálogo apenas ao sertanejo após toda a repercussão que o episódio causou.

“Eu queria falar com meu amigo Rodolffo. Bastião, aquele assunto do João foi um assunto que tava muito restrito ao João, a Camilla e ao Gil. […] Vendo o que aconteceu ontem no jogo e vendo a forma como você se defendeu na hora, me preocupou e é por isso que eu tô aqui pra conversar com você de homem branco pra homem branco.”

O apresentador falou de situações que viveu na infância e que como o cabelo não faz diferença na vida dele. Diferentemente do de João, que representa um símbolo de luta pelo respeito.

“Eu vi sua defesa, Bastião e quando eu era mais novo no colégio, brincavam com meu cabelo. Meu cabelo também não é liso. As outras crianças lixavam o dedo brincando que era cabelo de lixa, escondiam lápis no meu cabelo e tal, mas isso nunca fez a menor diferença pra mim. Porque o meu cabelo, pra mim, assim como pra você, pro seu pai, pra sua tia, é um negócio que tá espetado no meu crânio não faz a menor diferença na minha vida […] Eu não tô nem aí pro meu penteado, se meu cabelo tá caindo. […] Um cabelo black power que é o cabelo do João não é um penteado, é mais que um penteado, é um símbolo de luta, de resistência. Foi o que os pretos americanos usaram como símbolo antirracista.”

“Eles vestiram o black power pra mostrar para as pessoas que eles se aceitavam, que eles se amavam. Porque até pouquíssimo tempo atrás, uma pessoa como o João, como a Cami, lá nos Estados Unidos, tô falando do país mais livre do mundo, tinha que levantar do banco pra um branco sentar. Não podia ir em um restaurante. Então, historicamente, o cabelo do João foi associado a uma coisa errada, uma coisa suja, uma coisa feia. Não existia cosmético pra pele da Camilla, não existia nada pro cabelo do João. Até pouquíssimo tempo.”

“É por isso que quando a gente faz um comentário sobre o cabelo do João, a gente não tá falando de penteado que é o que você achou que você tava fazendo. Como você encararia, e eu como homem branco por muitos anos encarei. Você tá falando de um símbolo. Você tá falando do que o João é, do que o João sente, do que o João viveu na pele dele, da história do João, da ancestralidade do João. Tem muito ali.”

Na conversa, Tiago afirmou que aprendeu muita coisa com Babu Santana, que participou do BBB 20. “‘O black é a coroa’. E isso não sou eu que tô falando. Quem me ensinou isso é um cara que eu tenho um amor profundo […] O nome dele é Alexandre Santana, mas vocês devem conhecer pelo apelido, um apelido racista. Babu, que vem de babuíno, vem de macaco. Na primeira vez que chamaram de babuíno, ele quebrou a cara de todo mundo na porrada… Mas depois ele falou: ‘Quer saber, eu vou usar o Babu também como símbolo de resistência. Eu vou usar meu nome artístico Babu’. Ele nos deu uma aula ano passado sobre o que é o black power, sobre abrir o black, como o black é a coroa.”

“Mas isso é o Babu e talvez o seu pai… Eu vi a foto do seu pai, seu Juarez, aliás um beijo pra ele. Realmente, é muito parecido com o João. Pra ele também significava outra coisa. Mas isso não muda a dor do João. A dor do João é legítima e eu sei que nesse momento eu devo tá sendo trucidado na internet. Porque chega um momento aqui que ou você bota fogo no Rodolffo ou você acha o João mimimi vitimista. E eu não consigo ser uma coisa nem outra.”

O apresentador reforçou que entende que não houve maldade nas palavras do Rodolffo, mas que o comentário não desvalida a dor de João ao ouvir o comentário.” Eu não vejo maldade no que você fez e ao mesmo tempo legitimo a dor do João. Porque tem milhares de meninos e meninas pretos e pretas que sentem a dor que o João sentiu. E a dor que o João sentiu não discerne entre um comentário ingênuo e um comentário maldoso […] O ‘sem querer’ e o ‘de propósito’ doem do mesmo jeito.”

O apresentador reforçou a importância de se buscar a informação sobre o assunto, que está de muito fácil acesso no século atual. “É por isso que nós, brancos, precisamos nos informar. Bora ver filme, ver filme do Spike Lee, ‘Infiltrado na Klan’, filme maravilhoso. Bora ver vídeos no YouTube, pesquisar. Eles não querem mais ensinar, eles estão de saco cheio de ensinar. […] Eles não querem mais, toda vez tem que ensinar pra gente. Nós, a gente tem acesso, você é um artista. Eu sou jornalista. É nossa obrigação ir atrás desse tipo de informação e não cometer esse tipo de erro mesmo que seja sem querer.”

O discurso de Tiago emocionou Camilla de Lucas, que explicou que busca retornar à identidade natural do cabelo após tirar toda a química. “Eu uso esse alongamento, que é uma peruca, porque estou em transição, estou tirando a química do meu cabelo pra deixar igual ao do João. Eu não uso isso para esconder quem eu sou e a minha origem. É justamente para trazer de volta o que é meu e que por anos eu aprendi a odiar: o meu cabelo”, disse a influenciadora.

João Luiz agradeceu Tiago pela atitude de mostrar o assunto de maneira tão didática. “Você fazer isso, esse movimento que você tá fazendo agora, é um movimento muito didático, algo muito de ensinamento. Então, [quero] te agradecer por esse momento que é muito importante. A gente deve fazer isso sempre, toda vez que a gente identificar qualquer coisa, a gente reagir, dizer: ‘Olha, isso não é legal, não faz isso, não faça aquilo’. É um movimento que todo mundo deve fazer, porque só assim a gente vai combater tudo isso juntos”, pontou.

Rodolffo pediu desculpas ao colega de confinamento. “[Peço] desculpas para o João, para a Camilla e para todos que se sentiram ofendidos, eu realmente… Não foi realmente numa posição de ofender, numa posição de deixar triste”, disse o sertanejo.