ANTT apresenta a Marconi a tomada de subsídio do trem Goiânia/Brasília

Jorge Bastos, presidente da ANTT, espera que a licitação da obra ferroviária entre Goiânia e Brasília se dê ainda este ano


Thiago Burigato

Do Mais Goiás | Em: 16/02/2017 às 08:47:25


Na reunião com o diretor geral da ANTT, Jorge Bastos, o governador recebeu três grandes volumes do documento intitulado “Tomada de Subsídios”
Na reunião com o diretor geral da ANTT, Jorge Bastos, o governador recebeu três grandes volumes do documento intitulado “Tomada de Subsídios”

Entre uma e outra reunião do Fórum de Governadores hoje em Brasília, o governador Marconi Perillo esteve na sede da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres) para  o que considerou “o melhor dos encontros sobre o trem Goiânia/Brasília”.

Na reunião com o diretor geral da ANTT, Jorge Bastos, o governador recebeu três grandes volumes do documento intitulado “Tomada de Subsídios”. Trata-se das contribuições propostas em consonância com os resultados apresentados no Estudo de Viabilidade Técnica Econômica e Ambiental – EVTEA – do trem de passageiros no corredor Brasília/Anápolis/Goiânia, realizado pelo consórcio formado pelas empresas EGIS, LOGIT, JGP e Machado Meyer.

Segundo o diretor Jorge Bastos, o estudo foi concluído há dez dias. “Apresentamos ao governador as propostas que vieram. Agora o processo vai caminhar mais rápido. Esperamos que a licitação se dê ainda este ano”, comentou.

O governador considera que desde quando começou a ser estudado, o projeto recebido hoje foi bastante aprimorado. A ANTT apresentou um cronograma de desembolso por parte dos estados e da União. O início desses desembolsos, segundo o governador, se daria após três anos do início da obra. Começa em R$ 6 milhões e aumenta gradativamente.

O desembolso total do poder público, de acordo com a Tomada de Subsídios, não ultrapassará R$ 2,9 bilhões, valor que será dividido entre o Estado de Goiás, o governo do Distrito Federal e a União. Os demais investimentos necessários serão feitos pela empresa que vencer a licitação para realizar o projeto executivo e a obra.

Marconi fez questão de nomear Bernardo Figueiredo, que foi presidente da ANTT e da EBE – Empresa Brasileira de Logística -, como um dos principais executivos responsáveis pelo acompanhado de todo o processo.

Ainda segundo ele, se tudo correr dentro da normalidade, a ferrovia deverá ser inaugurada no máximo em três anos. “Se a licitação for resolvida ainda este ano, com certeza em três anos é possível a realização da obra. Estamos otimistas, hoje mais ainda com a conquista desta tomada de subsídios”, concluiu.