Thais Lobo
Do Mais Goiás

Andrey Azeredo diz que quer dialogar com todos os vereadores

Em entrevista coletiva, novo presidente da Câmara Municipal de Goiânia disse que críticas são bem vindas

O novo presidente da Câmara Municipal de Goiânia, Andrey Azeredo, pretende fazer uma gestão baseada no diálogo e na transparência. É o que ele informou durante entrevista coletiva realizada na Casa Legislativa nesta quarta-feira (1).

O vereador rebateu as críticas referentes ao fato de presidir a Câmara sendo um novato, e também pela condução das sessões realizadas até então. “Críticas são sempre bem vindas, mas ninguém abre mão de sua autoridade. O presidente da Câmara tem um papel regimental a ser cumprido e eu quero dialogar com todos, cumprindo o que a lei estabelece”, afirmou.

Ele declarou estar se esforçando para conhecer a Câmara e acompanhar todos os assuntos relacionados a ela. Com o auxílio dos integrantes da Mesa Diretora, composta por novatos e veteranos, será possível – diz ele – tomar os melhores encaminhamentos.

O peemedebista afirmou que não vai se furtar a tratar de assuntos parados desde a gestão anterior, como, por exemplo, a regulamentação do Uber e dos calçamentos em Goiânia. Os temas, afirma, serão tratados com “naturalidade”.

O presidente informou também que já adotou as medidas solicitadas pelo Ministério Público de Goiás (MPGO) a respeito dos contratos de manutenção predial da Câmara em vigência na gestão passada. As licitações referentes ao serviço são investigadas por suspeita de fraude. “A Casa recebeu pelo protocolo ontem o documento expedido peia promotora e eu determinei de imediato que fosse repassado para a procuradoria da Casa para que aprofundasse aquilo que trata o documento e que fosse apresentado dentro do prazo previsto pelo Ministério Público os encaminhamentos que a Casa entende serem necessários.”

Sobre a polêmica envolvendo sua eleição para a presidência da Câmara, Andrey disse estar “muito tranquilo”. O processo que levou à sua escolha foi questionado judicialmente por alguns vereadores. “A votação e a discussão foram abertas. Quem presidiu a sessão de escolha dos membros da mesa — a minha eleição, do primeiro vice, do segundo vice –, nem fui eu, foi outro vereador. Então não há, da minha parte, problema algum quanto a isso. Votaram os vereadores, quem tem mandato e é legítimo para isso”, pontuou.