Violência

Ameaçada, menina de 10 anos relata alívio ao saber que tio foi preso

'O vovô pode sair para a rua agora', disse criança capixaba, que era estuprada e precisou ir para Pernambuco interromper a gestação


Agência O Globo
Agência O Globo
Do Agência O Globo | Em: 19/08/2020 às 10:04:12

(Foto: Freelancer/Agência O Globo)
(Foto: Freelancer/Agência O Globo)

Ainda internada no hospital do Recife onde fez um aborto, a menina capixaba de 10 anos descobriu por um celular que o tio que ela acusa pelo estupro foi preso. “Ainda bem, porque o vovô pode sair para a rua agora”, disse.

A criança tinha medo que o tio matasse o avô. Era sob essa ameaça que não revelava a violência que sofria para ninguém. O relato foi feito pela avó para Paula Viana, enfermeira e coordenadora do Grupo Curumim, parceiro do programa Pró-Marias, de atendimento às vítimas de violência desde 1996, dentro do Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam), da Universidade de Pernambuco.

A neta é criada pela avó desde que tinha 27 dias, e muitas vezes a chama de mãe. Vendedora ambulante de bebidas na praia, a avó disse que “perdeu o chão” ao saber dos estupros. Contou que sofreu pressão para que a menina levasse a gravidez à frente e colocasse o bebê para adoção. “É claro que eu criaria, mas minha filha estava em risco”, explicou para a enfermeira. Segundo médicos, havia risco de morte caso a gestação não fosse interrompida.

Viana esteve com a menina desde que ela chegou ao aeroporto do Recife, no domingo, trazendo consigo um sapo e uma girafa de pelúcia. Para ir até o hospital, cercado por manifestantes contrários ao aborto, precisou entrar no porta-malas de uma minivan Doblò.

A enfermeira acredita que a menina não tenha ouvido os gritos de “assassina” na chegada, mas não foi possível proteger a criança de um médico do próprio hospital que conseguiu acessar o quarto na noite de domingo para constrangê-la, com detalhes gráficos do procedimento e questionando a decisão dela e da avó.

Antes da interrupção da gravidez, a menina tinha o semblante sério, fechado. Não reclamou de exames e injeções e aguentou firme a dor do aborto. Mas, segundo Viana, ontem sua expressão mudou:

— Ela estava com uma cara de alívio, completamente diferente. Mais solta, me olhou radiante mostrando os presentes que ganhou.

O quarto do hospital foi tomado por brinquedos, canetinhas, doces e chocolates, enviados por apoiadores. A menina não fala sobre o que passou:

— Uma vez ela disse que queria acabar com aquilo logo para poder jogar bola. A conversa dela é para frente, falando de futebol, cachorros, banho de mar.

Ela sabe que sua vida vai mudar, mas parece ainda não compreender que não verá mais o campinho onde gostava de brincar.

O secretário estadual de Saúde do Espírito Santo, Nésio Fernandes, afirmou que será ofertada à menina e sua família a inclusão nos programas de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM) e de Apoio e Proteção às Testemunhas, Vítimas e Familiares de Vítimas da Violência (Provita).

Até a conclusão desta edição, não havia informações sobre a alta da menina ou para que cidade seria encaminhada. Sua localização será mantida sob sigilo para evitar que ela volte a ser alvo de extremistas.