66 crimes

Alexandre Baldy e Vanderlan Cardoso, do PP, processam Jorge Kajuru por calúnia e difamação

Kajuru se manifestou por meio do twitter e chamou Baldy de "rei da propina"


Bárbara Zaiden
Do Mais Goiás | Em: 23/05/2019 às 18:17:00

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

O senador Jorge Kajuru (PSB) está sendo processado por Alexandre Baldy e pelo senador Vanderlan Cardoso, ambos do Partido Progressista (PP). Baldy afirma que, ao todo, são 66 crimes cometidos pelo senador. Já Vanderlan entrou com ação por calúnia e difamação, além uma representação no Conselho de Ética do Senado Federal.

Baldy é ex-ministro das Cidades, secretário do governo de João Doria (PSDB), em São Paulo, e presidente do PP Goiás. Em um vídeo, ele disse que Kajuru “não ficará impune”. “O senhor fala de forma covarde para atacar as pessoas. Eu não deixarei que o senhor fale da minha pessoa e fique impune. Não tem medo, não tem rabo preso de malandros que ficam, por aí, exercendo a palavra sem responsabilidade”.

No twitter, Kajuru comentou o assunto e chamou o ex-ministro de “rei da propina”. “KKKK EU ASSINAREI 6.600 CRIMES CONTRA ESSE REI DA PROPINA!!! AGORA APONTE UM SÓ CRIME DE HONRA DO KAJURU! PELO MENOS UM. JÁ VOCÊ, OS DETRANS QUE OS DIGA. E MAIS 6.573!!!” [sic].

Segundo Kajuru, Vanderlan teria seis funcionários, que seriam pagos pelo Senado Federal, para cuidar de um apartamento dele em Brasília. Os salários dessas pessoas chegaria a R$ 15 mil. A assessoria do pepista nega e diz que ele tem uma única funcionária, que trabalha com ele há trinta anos, e é paga com recursos próprios.

Além disso, Kajuru disse que um homem milionário como Vanderlan não deveria utilizar veículo oficial. Mas a assessoria do senador diz que ele abriu mão do benefício no dia 1º de fevereiro, quando assumiu o mandato. E mais: que todas as despesas com viagens são pagas do bolso do parlamentar, inclusive as idas semanais de Goiânia a Brasília.

Assim como no caso de Baldy, Kajuru também usou as redes sociais para falar sobre o processo de Vanderlan contra ele. “UM HOMEM BILIONÁRIO NÃO PODE MORAR EM APARTAMENTO DE LUXO E PAGO PELO DINHEIRO DO PÚBLICO!!! NEM USAR CARRO OFICIAL, MAS SE DESISTIU DEPOIS DE MINHAS CRÍTICAS, ENTÃO QUE PROVE VIA PORTAL DA TRANSPARÊNCIA!!! COMO EU [sic]”, twitou o senador, na manhã desta quinta-feira (23).

Histórico

No início do ano, Kajuru acusou Vanderlan de ter roubado uma herança e que, dessa forma, teria ficado milionário. “Um empresário, que era um simples contador, e que de repente ficou bilionário roubando a herança de um senador assassinado em Roraima, Olavo Pires”, acusou Kajuru. Contudo, depois de um pedido de desculpas público, no plenário, Vanderlan decidiu não processar o colega parlamentar.

Posteriormente, o pepista entrou com ação contra Kajuru por calúnia e difamação devido a um áudio de whatsapp: “até para mostrar para Senador Canedo que o Vanderlan Cardoso É UM BANDIDO, CORRUPTO, GANGSTER, ok? Pode espalhar minha voz aí! Vanderlan é um GANGSTER, É CORRUPTO, ROUBOU Senador Canedo e eu, Jorge Kajuru, provarei e mostrarei quem é o verdadeiro CORRUPTO, GANGSTER, LADRÃO, ASSASSINO, ASSASSINO, MATOU um jornalista em Roraima, Vanderlan Cardoso. Obrigado!”.

Gastos dos senadores

Em 12 de dezembro do ano passado, Vanderlan abriu mão do auxílio mudança concedido aos senadores. Entre os três parlamentares goianos com mandato em exercício, Vanderlan é o único que ainda não utilizou nenhum valor da cota parlamentar.

Kajuru gastou R$ 8.547 em aluguel para escritório político. Luiz do Carmo (MDB) era suplente e assumiu quando Ronaldo Caiado (DEM) foi eleito governador de Goiás. Os valores de gastos pelo parlamentar totalizam R$ 50.782,71. Apenas com o aluguel para escritório político dele foram R$ 22.334,86. Além disso, existem despesas com serviços de apoio, divulgação de atividades parlamentares e passagens. Em abril deste ano, o emedebista ainda gastou R$ 598,35 em combustível, enquanto Vanderlan e Kajuru não aparecem na lista desse gasto.

Nenhum dos três utiliza auxílio moradia. Mas Vanderlan utilizou imóvel institucional por três meses e Luiz por quatro. Vanderlan tem, ao todo, 35 funcionários, sendo 13 comissionados. Kajuru tem 25 e apenas um é efetivo. Já Luiz tem 49 e, destes, 3 são efetivos.