Do Mais Goiás

Além de milionária, Juliette en(canta) nas redes sociais

Advogada se tornou a segunda BBB mais seguida e viu as redes sociais saltar de 3 mil para mais de 27 milhões de seguidores

Saiba quem são os três ex-BBBs que Juliette não segue
(Foto: Reprodução Instagram)

O carisma de Juliette vai além do BBB 21 e vai para a vida real e as redes sociais. Além de se consagrar a nova milionária do Brasil, Juliette Freire conseguiu muitos fãs ao longo da sua trajetória no reality e chamou atenção de muitos com tom de voz aveludado e afinado que tem. Ela arrancou elogios de muitos especialistas do meio após interpretar Dona Cila, de Maria Gadú e La Belle de Jour, de Alceu Valença.

Para se ter uma ideia, Juliette já conta com 24 músicas que foram inspiradas na paraibana nos mais diversos estilos musicais.

A mais recente foi feita por Carlinhos Brown. O músico fez a canção baseada em um diálogo que ela o mandou pelo direct do Instagram. Com isso, ele lançou Juliette, Mon Amour. “Inspirado na simplicidade, no jeito, no sotaque e na espontaneidade da querida Juliette Freire, escrevi essa canção junto com meu amigo Jorge Nazareth. A resposta para ela não podia ser só aquele agradecimento. Então, vou retribuir esse carinho em forma de música, nesta sexta, dia 30 [de abril]″, escreveu.

Juliette também virou personagem de um jogo de celular. Vai Juliette! foi desenvolvido por um fã que baseou os obstáculos em toda a trajetória dela dentro da casa. O jogo está disponível apenas em dispositivos com sistema operacional Android e já teve mais de 500 mil downloads.

Juliette e os cactos

Os fãs de Juliette – que são denominados de cactos -, inclusive, se tornaram referência de lealdade ao se unirem para eliminar quem poderia dar uma resposta do mundo externo à participante. As votações em que eles se esforçavam era as que tinham às quantidades de votos mais expressivas. Ludmila Karla, de 19 anos, esteve à frente de um dos grupos oficiais de Juliette no WhatsApp. Ela explica um pouco como funcionava a dinâmica.

“Nós, administradores dos grupos oficias da Ju, não participamos diretamente nessas decisões com os oficiais. Temos um grupo onde lançamos nossas ideias para os administradores do Instagram e Twitter dela. Mas, falando de mim e das minhas parceiras de equipe (pois cada grupo tem uma “equipe” de administradores), organizamos tudo com antecedência. Horário dos mutirões, nomes para os mesmos, quem vai puxar tal mutirão, fotos, textos de incentivo, alguns brindes e afins. Nos paredões em que Juliette estava, fazíamos mutirões 24h por dia, alternando os turnos entre a equipe”, conta.

Ludmila afirma que a sua torcida para Juliette foi instantânea e ocorreu quando assistiu o vídeo de apresentação dela pela primeira vez. Ela fez a avaliação de porque achou justo a vitória da advogada.

“Juliette foi julgada a partir do momento que “pisou dentro da casa” . Sua profissão, seu sotaque, seu jeito de ser, seu choro, seu riso, seu canto, sua dança.. Tudo isso foi julgado. Mas Juliette continuou com a cabeça erguida. Estendeu o ombro para as pessoas chorar, aconselhou, abraçou, foi amiga. Fez aquilo com os outros que quase ninguém (alí dentro) fez com ela. Ela acolheu e não foi acolhida (no início). Se formos analisar a forma como ela ficou naquele início de programa, percebemos que hoje a luz dela se restaurou. Ela está mais forte ainda, mais corajosa, mais sorridente, mais feliz. Além, claro, de ter um jogo externo ótimo. Juliette conversa com o público, explica o pq de tal coisa e esclarece questões que nem tinha como ela imaginar que nós aqui fora tínhamos. O jogo interno de Juliette também é bom. Ela conversa, tenta resolver as coisas, explica seu modo de pensar e agir, explica sua visão”, reforça.

A aprendiz administrativa conta que decidiu estar à frente de um grupo oficial de Juliette após ver um anúncio sobre o assunto nas redes sociais. Segundo ela, os grupos vão continuar mesmo com a final do reality. ” Acabei vendo um anúncio no twitter de Juliette que estavam precisando de administradores para os grupos oficiais dela. Parei e pensei: ‘por que não?’ Organizei algumas coisas e mergulhei de cabeça. Os grupos não serão desfeitos depois do BBB e os próprios participantes pedem para que continuemos com os mesmo”, afirma.

Sucesso nas redes sociais

Além disso, Juliette se tornou um fenômeno nas redes sociais. Ela entrou no reality show com pouco mais de 3 mil seguidores. Cem dias depois, ela já acumula 27,4 milhões. Com isso, ela ganhou o título de segunda participante do programa mais seguida no Instagram e deixou Grazi Massafera comendo poeira. A atriz conta com 23,4 milhões. A ex-participante com maior número de seguidores é Sabrina Sato, que conta com 29,6 milhões.

O sucesso da advogada é tamanho que Juliette já conta com algumas marcas interessadas em tê-la como garota propaganda. Ela fez com que o estoque de alguns produtos da Avon acabasse em questão de minutos após usá-los nas suas maquiagens. Outra marca que foi beneficiada com o “efeito Juliette” foi Samsung. A marca patrocinou a última prova do Líder, da qual ela foi vencida por ela. O celular escolhido por Juliette – Galaxy Flip Z – acabou em questão de duas horas após o término do programa. Observação: o aparelho custava R$ 9 mil.

Mas o que explica o sucesso de Juliette nas redes sociais? O publicitário e especialista em Estratégia Digital, Jayme Diogo, aponta que Juliette ganhou apoio de pessoas anônimas e famosas ao abraçar a sua causa. “Com isso, juntou-se a organização dos administradores, que criaram bons conteúdos e aproveitaram a audiência para conversar com públicos diversos. Ela não fala com uma causa específica. Além disso, o carisma dela foi a receita pro sucesso”, destaca.

Jayme conta que o perfil de Juliette já é mais valioso do que o prêmio final do programa. Isso porque, segundo ele, as empresas buscam a humanização das marcas. “As empresas sabem que as pessoas reais trazem um retorno de engajamento muito maior. Com isso, haverá a conversão do engajamento em retorno financeiro. A gente percebe quem está à frente da marca: Iza no Pic Pay, Ana Clara com a Americanas, Fátima Bernardes na Seara. Eu acredito que uma marca patrocine o perfil dela já que ele é composto por 15 pessoas. Quem paga o salário dessas pessoas? A Avon é um boa candidata a isso porque ela sabe o que vai colher no futuro”, ressalta.

O publicitário reforça que o perfil de Juliette é um com os maiores engajamentos no Brasil – com o que tem mais curtidas em fotos por minuto. “Eu tenho certeza que um dos primeiros posts que ela realizar será de uma empresa que patrocinará ela. Eu, se tivesse dinheiro, eu patrocinaria ela, pois pensa: repercussão, redes sociais, engajamento e alcance. Acaba se tornando mais barato investir nela que na própria plataforma, além de se tornar várias pautas. Isso acaba criando prejuízo no Instagram pois ele tira o lucro direto da rede”, conta.

Jayme diz que Juliette deve manter quem está por trás das redes delas e que não pode cair no comodismo. “Muitos querem seguir aquela formula de sucesso: colocar lente de contato, fazer harmonização facial, dancinha no Tik Tok e sorteio do iPhone. Ela não precisa fazer isso pois a conta dela está em outro patamar. Tudo o que ela fizer vai dar resultado. Ela não precisar ir para o caminho comum e precisa aproveitar a audiência para monetizar”, finaliza.