Jessica Santos
Do Mais Goiás

Alego tenta retomar gestão da distribuição de energia elétrica para o Governo de Goiás

Caso projeto seja aprovado, distribuição seria feita pela estatal Celg Geração e Transmissão. Proposta será apresentada na Alego nesta terça (19)

Aneel suspende por 90 dias cortes no fornecimento de luz por inadimplência
Aneel suspende por 90 dias cortes no fornecimento de luz por inadimplência

Retornar a gestão da distribuição de energia elétrica para o Governo de Goiás. É isto que prevê projeto de lei de autoria dos deputados Lissauer Vieira (PSB) e Bruno Peixoto (MDB), em parceria com Poder Executivo. Prestação de serviço é de responsabilidade da empresa Enel desde 2017, quando houve a privatização da Celg-Distribuição (Celg-D). Proposta será apresentada em sessão plenária da Assembleia Legislativa (Alego) na tarde desta terça-feira (19).

A intenção, conforme expõem os autores, é realizar a encampação da Enel. Isto significa rescindir o contrato de concessão de distribuição energética firmado entre a empresa italiana e a Celg-D, em fevereiro de 2017. Com o fim do contrato, a distribuição de energia voltaria a ser de responsabilidade do Estado e seria feita pela da estatal Celg Geração e Transmissão (Celg-GT) até nova licitação.

Em entrevista ao Mais Goiás, o presidente da Casa, deputado Lissauer Vieira (PSD), disse que o projeto foi elaborado em razão da inércia da Enel na resolução de problemas referentes à distribuição de energia. “Nós ouvimos a demanda da população e tentamos dialogar com a Enel, por meio da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) e conversas entre o Executivo e a empresa. No entanto, não houve retorno. A empresa continua na inércia e na falta de compromisso com a população”, afirmou.

Lissauer acredita que a matéria será aprovada sem grandes conflitos na Casa. “Não tem como nenhum deputado defender a empresa. A população está revoltada e as cobranças são diárias. Não acredito na possibilidade de defesa dos parlamentares acerca da Enel. Há muitas reclamações e nenhuma melhoria na qualidade de serviço”, ressaltou.

Reclamações

No projeto, os autores justificam o pedido com os recorrentes cortes de fornecimento de energia elétrica no Estado, que chegam ao conhecimento dos parlamentares por meio da mídia e mensagens, áudios e vídeos enviados pela população. Segundo os deputados, “não são cortes pontuais, mas, que têm se generalizado em praticamente todo o Estado”.

Os parlamentares citam diversos prejuízos a produtores rurais como a perda de galões de leite, carne e aves por conta da falta de energia. “Tem-se informação de que, somente em uma propriedade rural, em Palmeiras de Goiás, foram perdidos 5 mil litros de leite, por falta de energia, que perdurou cinco dias”.

Em São Miguel do Araguaia, conforme o texto, empresários e comerciantes relataram à Polícia Civil (PC), prejuízos na ordem de R$ 300 mil. No Procon Goiás, ainda segundo o projeto, o índice de insatisfação dos usuários levou ao aumento de 46% nas reclamações registradas.

“Posto isto, verifica-se que a Enel não tem atendido ao contrato de distribuição de energia, e nada mais resta senão encampar o serviço de fornecimento de energia elétrica, cabendo ao Estado de Goiás assumir sua gestão”, justificaram.

O Mais Goiás aguarda o posicionamento da Enel.