Do Mais Goiás

Agrodefesa lança campanha de vacinação contra febre aftosa

Segunda fase da campanha acontecerá entre 1º e 30 de novembro. Animais também devem ser imunizados contra raiva em herbívoros

Agrodefesa lança campanha de vacinação contra febre aftosa
Agrodefesa lança campanha de vacinação contra febre aftosa

Foi lançada a segunda etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa e raiva em herbívoros. O período, divulgado pela Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), será entre os dias 1º e 30 de novembro de 2019. A expectativa do governo é imunizar 10 milhões de cabeças de bovinos e bubalinos (búfalos) com idade entre zero e 24 meses.

Com relação à raiva dos herbívoros, a previsão é que 5,5 milhões de bovinos e bubalinos sejam vacinados. Além disso, os criadores que possuem propriedades em 121 municípios classificados como alto risco devem vacinar também equídeos, ovinos e caprinos com idade até 12 meses. A relação dos municípios pode ser conferida no site da Agência.

Depois de vacinar o gado, os produtores devem encaminhar um formulário de vacinação à Agrodefesa, juntamente com a Nota Fiscal Eletrônica de compra das doses. A agência alerta que não serão aceitos formulários enviados via fax, pelo Correio ou por e-mail.

O procedimento correto é encaminhar a documentação para as unidades da Agrodefesa ou do Vapt-Vupt no município onde fica a propriedade. A declaração também pode ser feita pela internet, por meio do link Declaração de Vacinação.

Durante este período também está proibida a permanência de bovinos e bubalinos em feiras pecuárias entre os dias 1º e 10 de novembro. Também está vetada a realização de leilões no mesmo período. Além disso, o trânsito de animais está proibido quando a propriedade de origem ou destino não tiver o rebanho totalmente vacinado.

Febre aftosa

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, a febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, aparecimento de aftas na boca e nos pés. A doença afeta principalmente animais de casco fendido, como bovinos, búfalos, caprinos, ovinos e suínos.

O vírus se espalha rapidamente e os animais contraem a doença quando entram em contato com objetos ou outros animais contaminados. Calçados, roupas e mãos das pessoas que lidaram com animais doentes também podem transmitir a doença.

Ainda de acordo com o Ministério, o principal efeito da febre aftosa é comercial. Ela pode afetar muito o comércio interno de animais e de seus produtos. A fácil contaminação leva os países a estabelecer fortes barreiras à entrada de animais suscetíveis à enfermidade. Em pequenos produtores, a segurança alimentar é ameaçada em casos de epidemia.

O primeiro caso de febre aftosa foi registrado na Itália, em 1514. No Brasil, a doença foi detectada em 1895, em Minas Gerais. As ações governamentais para evitar a contaminação são tomadas desde 1934. O último foco no Brasil foi detectado em 2006, no Paraná e Mato Grosso do Sul.