Francisco Costa
Do Mais Goiás

Agentes comunitários de Valparaíso cobram testes periódicos da Covid

“Estamos na linha de frente”, reforça a profissional da Saúde, Luciana Nicácio

Goiás registra 33 novas mortes pela Covid-19, neste domingo
Goiás registra 33 novas mortes pela Covid-19, neste domingo

Uma agente comunitária de saúde de Valparaíso de Goiás denunciou que diversos profissionais de rede municipal de saúdeestão infectados pela Covid-19 e a prefeitura não tem realizado exames. Trata-se de Luciana Nicácio, que é membro da Associação Agentes Comunitários de Saúde de Valparaíso (Acas). Segundo ela, representantes da categoria já tentaram contato com a secretaria de Saúde do município, mas não houve resposta.

A agente Luciana afirma, ainda, a prefeitura só realiza exame das pessoas que estão com claros sintomas da doença. A demanda, porém, é de testes quinzenais, uma vez que os cerca de 250 agentes atuam nas ruas realizando promoção e prevenção da saúde e, neste momento, identificando casos suspeitos para encaminhamento médico.

Luciana diz que não se sabe o número certo de contaminados, mas informa serem muitos. Segundo ela, estes profissionais também não receberam os equipamentos de proteção individual adequados, somente máscaras comuns – não são as N-95, que foram destinadas a médicos e enfermeiros. “Estamos na linha de frente”, reforça.

Agente contaminada

Outro agente que preferiu preservar a identidade informou que acredita ter se contaminado. O profissional teve todos os sintomas e foi a um hospital particular, que indicou a possibilidade da infecção. Porém, o exame era R$ 300 e não foi possível fazer. Na secretaria de Saúde, segundo esta fonte, o teste foi marcado para setembro, o que não era viável.

Até para nós, agentes de saúde, é agendado. Já até me recuperei”, relata. Ainda conforme informado, a pasta disse que, mesmo os grupos de risco deverão retornar ao trabalho no próximo dia 3 de agosto.

Questionado se há algum tipo de suporte, a fonte informa que, na última semana, foi dado, pela primeira vez, um kit com colete, óculos, máscara e luvas. “Mas foi só essa vez.” Ainda conforme reforçado, a demanda é por exames quinzenais, mas existe grande dificuldade em tratar com a secretaria de Saúde.

Hospital

Luciana Nicácio, do Acas, é agente comunitária pela manhã e atuava como enfermeira no hospital municipal, à noite. Ele relata que foi afastada do segundo cargo por fazer cobranças e denúncias.

De acordo com ela, o hospital possui uma ala para Covid-19, mas os suspeitos de contaminação não seguem direto para lá. Além disso, no momento da triagem, os mesmos profissionais acabam atendendo todo tipo de pacientes. “As pessoas com sintomas deveriam ser levadas para outro setor [antes de irem para a ala da Covid], mas não tem.”

Ela relatou, ainda, que existe um acréscimo de 30% no salário daqueles profissionais da linha de frente do combate ao novo coronavírus. O valor, porém, só chega para os trabalhadores lotados na ala da Covid, o que ela não acha justo, uma vez que todos estão lidando com a doença.

Prefeitura de Valparaíso

“A Secretaria Municipal de Saúde informa que os profissionais de saúde com sintomas foram testados e afastados (em isolamento) para a devida recuperação e destaca que na próxima semana todos os profissionais da saúde inclusive os ACS, passarão por testagem rápida, esses testes são enviados do Ministério da Saúde para o estado e o estado distribui aos municípios.

Ressaltamos ainda que não houve agendamento para o mês de setembro para nenhum paciente ou profissional de saúde. Tanto a população quanto os profissionais que apresentam sintomas realizam a testagem imediatamente ou no dia seguinte.

Também não existe nenhum decreto Municipal solicitando que os profissionais da saúde com comorbidade retorne aos trabalhos, ao contrário, pelo decreto, eles devem ficar afastados. Já os que têm morbidade estão em teletrabalho.

Todos os ACS do município receberam EPI completo, contendo luvas, máscaras, óculos, capotes, face shild, pro pé, touca, álcool gel e repelentes. Os EPIS estão disponíveis em todas as unidades de saúde. Os ACS que estão na ativa seguem o protocolo do Ministério da Saúde para desenvolvimento de suas atividades: não adentrar residência e manter dois metros de distância.

Sobre a Ala COVID-19, ressaltamos que é um local de acesso limitado aos profissionais que tiveram interesse em trabalhar na ala especial, sem acesso dos demais profissionais ou demais pacientes que não possuem encaminhamento. Todos os enfermeiros da unidade foram convidados a compor a Ala com direito a um aporte salarial, porém, não houve interesse e a Administração procedeu com a contratação de profissionais do Cadastro Reserva do último processo seletivo.”

*Atualizada às 20h01 com nota da secretaria municipal de Saúde de Valparaíso