Eleições 2016

“Achei de uma grandeza enorme o governador e o partido dele decidir me apoiar”, diz Vanderlan

Para candidato a prefeito de Goiânia pelo PSB, aliança com Marconi Perillo (PSDB) após desistência de Giuseppe Vecci (PSDB) foi um gesto importante




Vanderlan Cardoso, candidato a prefeito pelo PSB, em sabatina do Mais Goiás e Rádio 820 AM na manhã desta quinta-feira (1º), fez uma defesa do apoio que recebeu do governador Marconi Perillo (PSDB) e de parte da base aliada quando o deputado federal Giuseppe Vecci (PSDB) desistiu de disputar as eleições. “Eu achei de uma grandeza enorme o governador e o partido dele decidir me apoiar e indicar o vice, que é o neto do Nion Albernaz, o (vereador) Thiago.”

Para o pessebista, não há o que pensar sobre “ficar ruim” para ele ou não a busca por apoio do governador ou de outro político. “Se eu pensar isso, quem vai perder é a população”, afirma.

Ele avalia como essas alianças são vistas: “Em Goiás existe umas coisas que só alguns políticos podem receber apoio. Inimigos históricos, de chamar o outro de ladrão, disso e daquilo, no outro dia se unem para um projeto político e todo mundo acha normal.” Vanderlan cita a união eleitoral entre o ex-prefeito Iris Rezende (PMDB) e o senador Ronaldo Caiado (DEM) em 2014 como exemplo.

“Eu apoiei o Iris em 2010, o pessoal do PMDB aplaudiu porque estava apoiando eles. Eu apoiei o governador Marconi Perillo para o Senado em 2006 fazendo campanha. Inclusive essa questão do avião foi na campanha de 2006, na qual eu disponibilizei umas horas de vôo para a campanha do Marconi e do Cidinho (Alcides Rodrigues), que eles não usaram na campanha. Passaram as eleições e foi emprestado sim meu avião para ele ir em uma viagem.”

Vanderlan questiona o fato de ser criticado quando busca alianças. “Agora eu não posso receber apoio dos maiores caciques políticos do Estado de Goiás se eu apoiei Marconi, se eu apoiei Iris? A base aliada do governador teve agora mais de uma candidatura, teve um candidato que era o Vecci, e um bom candidato por sinal. E que não viabilizou a candidatura dele. Ele achou melhor sair”, destaca.

O que ele vê como natural, não pareceu para alguns, na visão de Vanderlan. “O PSDB achou melhor me apoiar e alguns partidos da base. Outros foram apoiar Francisco Jr. (PSD). Aí eu sou o mau articulador, eu não posso receber apoio? Espera aí! Que política é essa?”

Outra política

O prefeitável do PSB diz que o que atrasou Goiânia foi uma política “arcaica e raivosa” praticada nos últimos 16 anos. “O senhor Paulo Garcia depois que rompeu com essa prática antiga política começou a ter algumas parcerias aqui em Goiânia. Olha os viadutos que saíram, duplicação de todas as saídas de Goiânia, o Estádio Olímpico ficou pronto”, afirma.

Vanderlan diz acreditar que a situação da capital estaria melhor se a postura fosse outra. “Você já pensou se nesses 16 anos tivesse uma política que ao passar as eleições chamasse o governo do Estado e dissesse ‘vamos resolver os problemas’ e buscasse essa parceria para Goiânia? Olha como estaria a segurança do nosso município.”