Isabela Gonçalves
Do Mais Goiás

Abertas as inscrições para cursos gratuitos de robótica em cinco municípios goianos

Jovens de comunidades de baixa renda das cidade de Alto Paraíso, Cavalcante, Valparaíso, Goiânia e Luziânia, podem fazer sua inscrição até o dia 6 de março

cursos de robótica Goiás
(Foto: Divulgação)

Para os jovens que estão em busca de novas oportunidades, estão abertas as inscrições para cursos gratuitos de robótica em cinco cidades de Goiás: Alto Paraíso, Cavalcante, Valparaíso, Goiânia e Luziânia. Entre os conteúdos, é possível encontrar informática, eletricidade, mundo maker, algoritmo e impressora 3D, e muito mais.

As aulas são oferecidas por meio de laboratórios Inlcude, que funcionam com o objetivo de inserir jovens de comunidades carentes nos ambientes digitais, fazendo com que tenham maior conhecimento sobre a tecnologia e, consequentemente, tenham mais espaço no futuro profissional.

Os interessados devem ter entre 12 e 20 anos, ser estudante de escola pública ou bolsista e residir na comunidade em que o laboratório se encontra. As vagas são limitadas!

As inscrições seguem abertas até o dia 6 de março (sábado) e devem ser feitas pelo site do Instituto Campus Party. As aulas tem previsão de início para os dias 10 e 11 de março, começando logo após as inaugurações.

O Estado de Goiás conta com seis laboratórios instalados nos municípios citados, sendo que as aulas devem acontecer de forma híbrida, online ou presencial, sendo possível para o aluno escolher a opção que melhor agrada. As metodologias foram assim definidas por conta da pandemia de Covid-19, com o intuito de reduzir o número de alunos presentes.

Em cada unidade do Include em Goiás, há um total de 75 vagas para os cursos de robótica, sendo que as aulas presenciais contam com apenas cinco turmas de dez alunos cada, e uma turma online com 25 alunos. As aulas online e presenciais serão iguais e abordarão sempre as mesmas temáticas.

Para as aulas, os alunos precisam de alguns materiais recicláveis e sucatas eletrônicas, como plásticos, papelão, baterias, pilhas e ferramentas de simulação e interação.

É importante que consigamos formar, desde jovens, pessoas empreendedoras e conectadas às novas tecnologias. Isso se transforma em uma ação social quando a gente leva esse conhecimento para os jovens carentes, que dificilmente teriam acesso a esse tipo de conhecimento, ou demorariam muito a alcançá-lo”, explica o secretário-geral da Governadoria, Adriano da Rocha Lima.