Do Mais Goiás

72 escolas de Goiânia foram deixadas abertas durante a noite, denuncia Associação de Guardas Civis

Segundo balanço realizado pela guarda, números ser referem ao período de férias. Segundo a corporação, falta de responsabilidade facilita ação de bandidos e depredação do patrimônio público

De acordo com balanço realizado pela Associação da Guarda Civil Metropolitana de Goiânia (ASGCMG), no período de férias escolares, 55 unidades escolares foram encontradas abertas ou parcialmente abertas em dezembro. Nesse período, sete unidades foram arrombadas, duas pessoas foram presas em flagrante. Em janeiro, até o momento, 22 instituições foram encontradas abertas, três delas foram arrombadas. De acordo com a associação, presidida por Washington Moreira, há indícios de que o descaso praticado pelos gestores das unidades seja proposital.

De acordo com ele, a corporação notou que após os incidentes de dezembro tem se encontrado funcionários durante o dia nos colégios, que estão em recesso escolar. “Mesmo com a presença deles, as escolas tem sido encontradas abertas. Tem um fato curioso, uma das escolas encontradas nessa situação de madrugada foi trancada após os GCMs chamarem o responsável. Durante o dia, entretanto, ela foi encontrada destrancada novamente. Está ficando rotineiro”.

Washington afirma que há suspeitas de que a “falta de cuidado ou irresponsabilidade dos gestores” seja proposital. O intuito seria facilitar a entrada de bandidos nas instituições para que as estatísticas de violência forcassem o poder público a colocar GCMs permanentemente nas unidades. “Essa é uma demanda antiga dos gestores. Há suspeitas de que esse descaso com o bem público seja uma movimentação
para forçar presença permanente de guardas nas escolas. Porém, não queremos acreditar nisso, uma vez que escolas destrancadas facilitam ação dos bandidos, que podem roubar equipamentos e alimentos, deixando alunos e toda a sociedade desassistida”.

Conforme explica o presidente da associação, um projeto foi lançado pela corporação em dezembro para reforçar o patrulhamento nas escolas. Guardas foram orientados a fazer o comunicado de pontos vulneráveis, como janelas, portões e portas abertas, muros baixos, buracos em cercas e falhas de segurança em geral. “Se a situação fosse grave, que fosse filmado para enviar para o secretário de educação. O fechamento das escolas é ação de responsabilidade dos gestores, mas esse serviço tem ficado aquém das expectativas. Tem sido difícil fazer a segurança dessa forma, com tudo aberto”.

Em nota, a Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) informa que não foi comunicada oficialmente pela Guarda Civil Metropolitana a respeito das denúncias sobre instituições de ensino abertas. “A SME informa, ainda, que apura todas as irregularidades e, quando necessário, abre sindicância. A Secretaria informa que, neste período de recesso, as unidades de ensino encontram-se em funcionamento para atendimento à população, recebimento de material e de merenda”.

Assista alguns dos vídeos recebidos pelo Mais Goiás:

Veja balanço completo divulgado pela GCM:

Dezembro

– 55 unidades escolares encontradas abertas ou parcialmente abertas;
– Sete unidades arrombadas;
– Dois suspeitos presos em flagrante arrombando escola;
– Um suspeito preso por receptação após a prisão de um ladrão.

Janeiro
– 22 unidades escolares encontradas abertas ou parcialmente abertas
– Três escolas arrombadas;
– Um suspeito preso em flagrante.