43 professores são demitidos no final do semestre em faculdade particular de Goiânia

Sindicato afirma que está conversando com desligados para encontrar uma solução. Instituição informa que compromisso é com a qualidade de ensino


Artur Dias

Do Mais Goiás | Em: 14/12/2018 às 21:18:02


Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Professores da Universidade Estácio de Sá denunciaram, na noite desta sexta-feira (14) uma demissão em massa em Goiânia.  De acordo com informações repassadas ao Mais Goiás, 43 docentes foram desligados da instituição de ensino por “motivos administrativos”.

As denúncias recebidas informam que eram todos professores contratados pela CLT, possuíam pouco tempo de vínculo empregatício e foram demitidos sem justa causa.

Segundo um docente que não quis se identificar, muitos dos desligamentos já eram esperados. “Isso já vem sendo realizado a algum tempo. Todo semestre sai uma lista de demitidos. Acredito que o motivo seja o valor da hora-aula que vai aumentando com tempo de serviço”.

“Acham que podem fazer o que quiserem”

O Sindicato dos Professores do Estado de Goiás – Sinpro-GO, já está a par da decisão e tomando providências. É o que garante o seu presidente, Raílton Souza. “Nos soa estranho essa quantidade excessiva de demissões sem nenhuma comunicação com o sindicato. Estamos à disposição tanto dos professores quanto da instituição, para sentarmos e dialogarmos no sentido de encontrar uma saída que não prejudique os trabalhadores”, afirmou.

Raílton disse ainda que esse tipo de prática tem se tornado comum em instituições de ensino. “Desde a aprovação da reforma trabalhista e da terceirização, os empregadores acham que podem fazer o que quiserem. Demitem o docente e contratam outro no semestre seguinte para pagar menos pela hora-aula. Isso prejudica a carreira do professor e diminui a qualidade de ensino”.

“Compromisso com a qualidade acadêmica”

Em nota, a Estácio de Sá comunicou que as demissões “fazem parte de um processo natural de uma instituição de ensino, que periodicamente precisa rever a sua base de docentes, adequando-a às necessidades do mercado”.

A instituição reforçou também que o principal compromisso é “com a qualidade acadêmica, para que possamos cumprir a nossa missão de Educar para Transformar”. A faculdade não confirmou o número de professores demitidos.

Confira a nota na íntegra:

“Sobre os fatos a Estácio esclarece:

Os desligamentos realizados fazem parte de um processo natural de uma instituição de ensino, que periodicamente precisa rever a sua base de docentes, adequando-a às necessidades do mercado, demandas de cursos e às particularidades das praças em que atua.

A Estácio é um dos maiores grupos de ensino do país, que continuamente realiza ajustes na sua operação como um todo, buscando um crescimento sustentável para ofertar ensino de qualidade em larga escala.  

Reforçamos que nosso principal compromisso é com a qualidade acadêmica, para que possamos cumprir a nossa missão de Educar para Transformar”.