SISTEMA PRISIONAL

30% dos detentos do presídio de Rio Verde estão com Covid-19

Dos 550 testados, 188 deram positivo pra doença. Apesar disso, o coordenador do Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes) afirma que 90% deles estão curados


Joao Paulo Alexandre
Do Mais Goiás | Em: 13/08/2020 às 17:23:21

(Foto: ilustrativa/reprodução)
(Foto: ilustrativa/reprodução)

Uma testagem realizada na Casa de Prisão Provisória (CPP) de Rio Verde, iniciada no último dia 27 de julho e terminada na última quarta-feira (12), mostrou que 30% dos detentos estão infectados com coronavírus. De acordo com o coordenador do Centro de Operações de Emergência em Saúde (Coes), Wellington Carrijo, 550 presos foram testados e 188 estão com Covid-19.

Segundo ele, os testes realizados são do tipo RT-PCR – tido como padrão ouro e que detecta o RNA do vírus SARS-CoV-2. Os detentos que foram positivados foram separados dos demais apenados e devem ficar em isolamento até o próximo sábado (15). “Apesar disso, mais de 90% já estão curados. Conseguimos bloquear a cascata de transmissibilidade. Atualmente, não tem caso positivo, nem detentos internados e nenhum óbito confirmado”, afirma.

Wellington destaca que, agora, a unidade prisional conta com o médico responsável por acompanhar os casos. Caso o detento ou servidor penitenciário apresente sintoma gripal, ele será submetido ao teste. O coordenador diz que três servidores foram positivados com a doença e passam bem.

Por meio de nota, a Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) informa que 678 presos tiveram confirmação da Covid-19 nos presídios goianos. Destes, 335 foram curados da doença. Os demais seguem em isolamento “para o tratamento necessário que a saúde de cada um requer”.

A nota ressalta que todo apenado que apresenta algum sintoma é submetido ao teste. Caso ele dê negativo e dependendo do estado de saúde, o detento volta para o convívio dos demais presos. Agora, se o resultado for positivo, o preso é mantido em isolamento por todo período de quarentena e é observado pela equipe de saúde da unidade. Se apresentar algum agravamento do caso, ele é encaminhado para um tratamento em um hospital. Com isso, a DGAP afirma que “o monitoramento pela direção da unidade e Comitê, independente de casos positivos ou negativos, tem sido ininterrupto sobre toda a população carcerária do Estado […]” Leia a nota completa na íntegra 

Nota retorno
Assunto: testagem de custodiados-Verificação de sintomas

O Comitê de Gerenciamento de Crise da DGAP no Enfrentamento da Covid-19 no Sistema Penitenciário de Goiás informa que, de acordo com o último relatório diário sobre a doença , divulgado pela instituição em suas redes sociais, – às 18 horas da última quarta-feira, 12/08,- foram registrados 678 casos de coronavírus no sistema prisional em todo o Estado. Desse quantitativo, 335 presos estão curados da doença e os demais em isolamento para o tratamento necessário que a saúde de cada um requer.

O comitê esclarece que todo preso sintomático nas unidades prisionais do Estado é separado dos demais e passa pelo teste da doença, de imediato à verificação de sinais da suspeita. Se o resultado do teste der NEGATIVO, dependendo do quadro de saúde, sendo liberado pela equipe de saúde, ele retorna ao convívio com os demais.

Se o resultado do teste der POSITIVO , o preso é mantido isolado durante todo o período de quarentena, sendo permanente observado pela equipe de saúde da unidade prisional e, se nesse período tiver algum agravamento do quadro, ele é encaminhado para tratamento em hospital, de imediato. Dessa maneira, o monitoramento pela direção da unidade e Comitê, independente de casos positivos ou negativos, tem sido ininterrupto sobre toda a população carcerária do Estado nos 104 estabelecimentos penais administrados pela Diretoria-geral de Administração Penitenciária em contato direto com autoridades de saúde e cumprimento de protocolos de prevenção e controle adotados pela instituição, em consonância com as determinações do Governo de Goiás e Secretaria de Segurança Pública do Estado.

O Comitê acrescenta que, diariamente, estão sendo realizadas no sistema prisional goiano, inúmeras medidas de prevenção e combate a COVID-19. Sobre os números da doença entre a população carcerária e servidores, desde os primeiros números contabilizados, diariamente, a divulgação está disponível para o acompanhamento público e, nesse sentido, seguem os endereços de dois canais institucionais para a pesquisa dos números que esse veículo de comunicação deseja fazer : instragram: @dgapgoias e site: www.dgap.go.gov.br

Segue abaixo a relação das ações da DGAP no enfrentamento da pandemia no sistema penitenciário goiano:

1. A criação de um Comitê de Gerenciamento da Crise sobre coronavírus no sistema prisional, logo no início da pandemia em Goiás, o que refletiu na rapidez de ações enérgicas preventivas e proativas eficientes para o controle da doença. O comitê se reúne constantemente para avaliações e tomada de novas decisões conforme o quadro da doença afim de garantir soluções rápidas e análise constante da realidade da doença no sistema;

2. A suspensão das visitas ( em marco, logo no início da doença em Goiás), de atendimentos presenciais de advogados, de atividades de trabalho e assistenciais de trabalho e religiosas. Neste caso, para o cumprimento da adequada assistência jurídica, foram instalados interfones em unidades prisionais para facilitar o contato entre advogado e cliente, em parceria com a OAB-GO, além de mecanismos de videoconferências entre juízes e presos para continuidade dos processos;

3. A utilização da Casa do Albergado e da Colônia Agroindustrial do Regime Semiaberto como “unidades de triagem” para os presos que ingressarão no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia; Nesta ação, todo preso encaminhado pelas Polícias Civil ou Militar só ingressam nas unidades que compõem o Complexo Prisional de Aparecida de Goiás, após passarem por um período de quarentena em um desses dois estabelecimentos penais.

4. A aquisição, com recursos próprios e parcerias, de EPIs para servidores; além de produtos destinados a higiene pessoal e desinfecção de ambientes prisionais. Além disso, a produção de máscaras em unidades prisionais com utilização de mão de obra carcerária. Sobre EPIs, a DGAP iniciou novas instruções de processos para novas aquisições;

5. A distribuição de máscaras aos custodiados que laboram nas unidades prisionais ou que tenham que deixar a Unidade por algum motivo;

6. Todas as Unidades do Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia, receberam remessa de medicações para extermínio de parasitas prejudiciais à saúde. As nove regionais receberam também produtos para desinfecção de ambientes;

7. A realização de adaptações da Colônia Agrícola do Regime Semiaberto, o que propiciou a uma unidade básica de saúde para aprimorar a triagem de presos que serão inseridos no Complexo Prisional de Aparecida de Goiânia.

8. A promoção de palestras a respeito dos procedimentos de prevenção e combate ao Coronavírus e treinamentos sobre a utilização dos Equipamentos de Proteção Individual- EPI a servidores. Além disso, vídeos e cards e áudios produzidos pela instituição compõem a campanha educativa para servidores publicada em redes sociais e site do órgão;

9. A aquisição de pulverizadores e insumos (desinfetante a base de quaternário de amônio) com os quais foi realizada a desinfecção das Unidades Prisionais do Estado (carceragens áreas administrativas, e embalagens dos produtos levados por familiares aos presos) e demais departamentos que integram a DGAP;

10. A desinfecção de viaturas vem sendo realizada sempre que conduz preso com alguma suspeita de contaminação;

11. Testagem de todos os servidores e de presos sintomáticos de todo o Estado (planejamento em execução);

12. Divulgação de boletim diário sobre a atualização do quadro da doença no sistema prisional entre servidores e presos, nas redes sociais e site da DGAP;

13. Conclusão da entrega de dois termômetros infravermelhos por unidade prisional do Estado para a medição de temperatura corporal de servidores e presos dos 104 estabelecimentos penais da DGAP entre outras ações;

Goiânia, 13 de agosto de 2020
Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP)
Comunicação Setorial

Comunicação Setorial DGAP