Entretenimento

13 bandas de rock de Goiânia para ouvir no Dia Mundial do Rock

O Mais Goiás fez essa lista só para mostrar que a capital de Goiás tem muito mais que música sertaneja


Murillo Soares

Do Mais Goiás | Em: 13/07/2018 às 18:10:30


Salma Jô, da Carne Doce (Foto: Rodrigo Gianesi)
Salma Jô, da Carne Doce (Foto: Rodrigo Gianesi)

Hoje é sexta-feira 13. Mas, além disso, comemora-se o Dia Mundial do Rock. Pode não parecer – porque nem sempre isso é divulgado para o grande público – mas Goiânia tem uma forte cena musical para este gênero.

Por isso, o Mais Goiás fez uma lista com 13 bandas de rock goianas para mostrar que a música daqui vai além das duplas sertanejas.

“Monster Bus”

Na verdade, essa não é uma banda. É uma canção. Mas não tinha como fazer esta lista sem citar este rock que divulga e enaltece um dos serviços mais utilizados de Goiânia: o Eixo Anhanguera. Em Monster Bus, o transporte é chamado de “espinha dorsal do transporte de massa” e fala dos problemas frequentemente relatados pelos passageiros: ambulantes, odores e superlotação.

Black Drawing Chalks

Esta banda goiana de stoner rock despontou no cenário nacional em 2007 com o disco Big Deal, elogiado pela crítica e fazendo turnê por todo o Brasil. Mais ou menos na mesma época, eles se apresentaram no Canadian Music Week, um grande festival de música canadense que dura quatro dias. Em 2009, a canção My Favorite Way foi eleita a melhor do ano pela revista Rolling Stone.

Cambriana

Em 2012, a banda de indie rock de Goiânia lançou seu primeiro disco, House Of Tolerance. Foi logo de cara que o grupo experimentou o sucesso, quando a faixa Safe Rock entrou para a trilha-sonora da novela Além do Horizonte, da Rede Globo. Este foi o único long-play do grupo, que lançou um EP em 2013 e um single em 2018.

Melodizzy

A Letter To the World. A banda de rock goiana é mais ouvida lá fora do que aqui. Eles foram destaque na revista britânica Fireworks em maio deste ano. E, de acordo com as plataformas de streaming, a cidade que mais ouve a Melodizzy é Londres. Logo depois, Swadlincote, Rugby, Camden e Nothing Hill Gate. Todas da Grã-Bretanha. Mas a gente pode bater no peito e falar que a banda nasceu na terra do pequi!

Violins

Desde quando foi formada, em 2001, a Violins colecionou elogios da crítica com seu indie rock goiano. O disco de estreia do grupo, Wake Up and Dream, foi eleito pelo Correio Braziliense como um dos melhores do ano. Alguns anos depois, a Rolling Stone colocou o disco Tribunal Surdo dentre os destaques de 2007. Ao todo, a banda lançou sete álbuns, todos disponíveis nas plataformas de streaming.

Ressonância Mórfica

A Ressonância Mórfica não nasceu aqui. Os integrantes da banda de death metal se juntaram em Manaus no ano de 1997, mas ressurgiu em Goiânia no ano de 2002. Por aqui, eles têm o seu festival, o Ressofest, que tem o intuito de valorizar a nova geração de bandas que nunca tiveram a oportunidade de tocar fora de suas cidades de origem.

Pedra Letícia

“Eu sou goiano, mas eu gosto de mato. Eu me mato se alguém me chama de capira, Pirapora”. Esses foram alguns dos versos do grupo Pedra Letícia, que em meados dos anos 2000 misturou rock com comédia e ganhou o Brasil. Dentre outros sucessos, estão Como Ocê Pôde Abandona EuEu Não Toco Raul. Atualmente, a banda é fixa no Programa do Porchat, na Rede Record.

Johnny Suxxx and the Fucking Boys

O grupo que pode representar o Glam Rock em Goiânia existe desde meados de 2004. Com seu nome difícil de pronunciar, o grupo se apresentou em todos os importantes festivais de música da capital goiana. Johnny Suxxx tem apenas um disco nas plataformas de streaming, o Zebra.

Mr. Gyn

Em 2004, não tinha um goiano sequer que não havia se rendido à faixa Minha Juventude. Com esta canção, o Mr. Gyn flertou com o cenário do pop-rock nacional e conseguiu relançar nacionalmente o álbum Pirata Pra Quê?. Desde sua formação em 1997, a banda tem no currículo 7 álbuns e dois DVDs. Recentemente, o vocalista do grupo, Anderson Richards, iniciou um projeto solo, Eu Pra Mim, mas garantiu que não abandonará a Mr. Gyn.

Carne Doce

O grupo de rock com arranjos exóticos surgiu em 2013 e voz potente de sua vocalista, Salma Jô. De lá para cá foram dois discos de estúdio e alguns singles aqui e ali. O grupo, que despontou no cenário nacional no ano passado, se prepara para lançar seu novo álbum, Tônus, previsto para ainda este mês.

Casa Bizantina

O Casa Bizantina toca do cenário underground de Goiânia desde o fim da década de 1990. O grupo fez parte de um forte movimento de pop-rock na capital no início do anos 2000 e suas canções, influenciadas diretamente pelo rock dos anos 80, tomaram as rádios goianienses. O vocalista da banda, Fabiano Olinto, foi um dos destaques de um show que comemorou os 20 anos do gênero na capital em abril deste ano.

Sheena Ye

O trio de hard rock começou sua trajetória musical em 2013. Em 2016, lançaram seu primeiro EP, autointitulado, com quatro músicas. Com este trabalho, abriram shows de Cachorro Grande, Matanza, CPM 22 e Velhas Virgens. Apenas neste ano, o Sheena Ye lançou seu primeiro disco de estúdio, Seu Tempo Acabou e hoje está no line-up de diversos festivais da capital.

Cheol

Esta é uma das mais antigas bandas de black metal da capital sertaneja. O primeiro EP da banda foi lançado em 2006. O trabalho tem as faixas A Valsa de EdenPerversos Chamados da Crueldade, consideradas as melhores pelos fãs.